Em MS, 36 mil podem ter título cancelado por não votar em 3 eleições

Atenção deve ser ainda maior nos municípios onde houve suplementares, tornando possível em um só ano acumular três ausências às urnas

Eleitor que não compareceu às urnas nem justificou precisa procurar cartório eleitoral. Foto. Arquivo.

Mais de 36 mil eleitores podem ter os títulos cancelados após não terem votado e nem justificado a ausência nas três últimas eleições. Os dados são do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) e o prazo de regularização dos documentos para evitar o cancelamento vai até o dia 6 de maio.

Somente em Campo Grande são 2.741 títulos sob o risco de serem invalidados. Outros 33.279 pertencem a eleitores dos 78 municípios do interior do Estado.

Para ficar em dia com a Justiça Eleitoral, é necessário comparecer a um cartório eleitoral portando um documento oficial com foto (RG, CNH), comprovante de residência e título de eleitor. É cobrada multa de R$ 3,50 por eleição. Quem não regularizar a situação e tiver o título cancelado fica sujeito a uma série de impedimentos, como o de emitir passaporte e tomar posse em concursos públicos.

Suplementares

Eleitores dos municípios de Tacuru e Caarapó podem ter os títulos suspensos com maior facilidade. Isso porque os municípios tiveram eleições suplementares em 2017 e 2018, respectivamente, obrigando no caso de Caarapó o eleitor a ir às urnas três vezes no mesmo ano. Assim, quem não compareceu na votação suplementar e aos dois turnos da eleição estadual poderá, em um só ano, ter acumulado as três ausências que acarretam cancelamento do título.

No caso de pleitos que tiveram segundo turno, a contagem é feita pelo TRE como sendo duas eleições.

Assim, em Campo Grande quem não votou no segundo turno de 2016 e nos dois turnos do ano passado precisa regularizar a situação para não ter o título suspenso. Já nos demais municípios, a suspensão ocorrerá para quem não votou no primeiro turno de 2016 e nos dois turnos de 2018.

Mais notícias