Em crise, Dourados é alvo estratégico dos Democratas, diz Barbosinha

Deputado Estadual líder do governo participou do Midiamax Entrevista

Durante participação no Midiamax entrevista desta segunda-feira (28), o deputado estadual Barbosinha (DEM) afirmou que Dourados passa por grave crise de gestão, com pouca representatividade junto ao Governo Federal. Por este motivo, a segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul torna-se alvo estratégico do plano dos Democratas para as Eleições de 2020. O próprio deputado se apresenta como pré-candidato ao cargo de prefeito.

A entrevista completa com todos os assuntos abordados está disponível aqui.

Segundo ele, boa parte do país passa por momentos de dificuldade, mas o cenário se agrava em Dourados por conta, principalmente, da administração ruim da atual prefeita Délia Razuk (PTB). “Temos pelos números, evidência clara de que Dourados vive uma crise de gestão […] Dourados padece da ausência de representação federal, sem nenhum deputado federal, nenhum senador. Temos uma senadora que nasceu em Dourados, mas não há ninguém que represente a região”.

Conforme números apresentados pelo deputado, a situação do município só piora e o prejuízo à arrecadação pode atingir cifras milionárias. No que diz respeito ao ICMS, por exemplo, Barbosinha afirmou que em 2016, último ano da gestão do ex-prefeito Murilo Zauith, hoje vice governador do Estado, a participação de Dourados era de 7,07%. Em 2017, no primeiro ano de Délia, caiu para 6,88%, no segundo ano subiu para 6,89% e em 2019 para 6,06%. “Índice provisório mostra que para 2020 cai para 4,5%. Se confirmado, Dourados terá com relação a 2017 redução de mais de R$ 5 milhões só na arrecadação do ICMS”, detalhou.

O deputado lembrou ainda que a renda per capita da Saúde também é pequena. “Campo Grande tem renda per capita de R$ 30 (investidos por habitante), Corumbá é acima de R$ 39 e Dourados R$ 14”, pontuou.

Plano Político

Barbosinha se apresentou ao partido como pré-candidato à prefeitura de Dourados. Para tanto, confia na base sólida formada pelos Democratas nas esferas Federal, Estadual e Municipal. Neste sentido, ele leva em conta três ministros, dentre os quais dois de Mato Grosso do Sul, sendo Tereza Cristina e Luiz Henrique Mandetta, o vice-governador Murilo, posições importantes na Sanesul e na MS Gás, bem como vereadores Alan Guedes, Madons, Cido Medeiros e Pedro Pepa. “O que posso afiançar é que do ponto de vista nacional, é importante uma eleição para o DEM em Dourados, a maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul”.

Salário de servidores

Questionado por internautas sobre aumento no salário dos servidores, Barbosinha disse que o Estado tem feito o possível para atender a demanda do funcionalismo público e que, mesmo quando não pôde fazer aumentos, melhorou condições, a exemplo da fila das promoções policiais que foi zerada enquanto ele foi secretário da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública).

CPI da Energisa

O deputado afirmou que não voltou a favor de nova CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito da Energisa) por falta de fato determinado. Ele alega que, para que haja instauração de um procedimento, é preciso materialidade. Até mesmo quando questionado sobre as 2 mil reclamações no Procon contra a concessionária, disse que seria necessário avaliar a procedência das reclamações. “Para forma a comissão é preciso de fato determinado. Eu não posso formar uma CPI só porque teve aumento na energisa. É preciso haver evidências”, pontuou.

Mais notícias