Deputados aguardam projeto de Reinaldo que prorroga abono de R$ 200

Intenção é votar projeto já nesta terça-feira (30), mantendo benefício para servidores estaduais

Governo deve enviar projeto de lei que prorroga o abono salarial de R$ 200 ao funcionalismo público por mais dois meses – período onde o reajuste salarial deve ser negociado. A expectativa é que a Assembleia Legislativa aprove o texto em primeira e segunda discussão ainda na sessão desta terça-feira (30).

O envio do projeto foi acertado em reunião entre a equipe do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), fórum de servidores e a comissão criada na Casa de Leis, em meio a sessão turbulenta na quinta-feira (25), para acompanhar as tratativas.

Apesar de suspenderem protesto em forma de “Tereré na Governadoria”, após a sinalização positiva do governo, servidores de diversas categorias prometeram manter o ritmo da mobilização e acompanhar a votação de hoje, que começa por volta das 10h.

Servidores permanecerão mobilizados

Depois da notícia de que o abono salarial de R$ 200 será mantido por mais dois meses na folha salarial dos servidores públicos do Governo do Estado, as categorias afirmam que apesar do avanço nas negociações, os funcionários “continuam mobilizados”.

“A gente não vai aceitar que se retire [o abono], não vai aceitar retroceder. Entendemos que se o governo fez essa extensão é porque ele tem condições de fazer”, afirmou Ricardo Bueno, um dos coordenadores do Fórum dos Servidores Públicos do Estado.

Para Bueno, essa sinalização do governo foi entendida pela categoria como um avanço nas negociações. “Por isso o tereré na frente da Governadoria está suspenso”. Os servidores prometem comparecer na Assembleia na terça-feira (30) para acompanhar a votação da prorrogação do benefício.

As categorias também sugeriram que o Executivo, dentro do mês de maio, mostre os dados do orçamento do quadrimestre. “Para que o Governo mostre se conseguiu melhorar a questão do limite prudencial e que a gente discuta a incorporação do abono, mais a revisão geral anual”, declarou Bueno.

Mais notícias