Defender fim do Congresso e do STF é ‘aplaudir morte da democracia’, diz Fábio Trad

Deputado federal defende reforma da Previdência e pacote anticrime de Sérgio Moro, mas com ajustes

Mesmo com as principais reivindicações sendo a aprovação da reforma da Previdência, combate à corrupção e apoio a Jair Bolsonaro (PSL), alguns defensores de pautas como fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Congresso Nacional se fizeram presentes nos atos do domingo, 26 de maio.

Para o deputado federal Fábio Trad (PSD), apoiar as ideias mais radicais é uma “loucura total”. “Ao defender o fechamento do STF e do Congresso Nacional, manifestantes aplaudem a morte da democracia. É a venezuelização do país”, disse o parlamentar ao Jornal Midiamax, nesta segunda-feira (27).

Sobre os outros temas em pauta nas manifestações, o pessedista acredita que algumas delas precisam de “ajustes”, como a reforma da Previdência e o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

“Votarei a favor das emendas que modificam o valor do BPC, modificam a igualdade homem-mulher na aposentadoria rural, e votarei contra a desconstitucionalização. Votarei a favor também de aposentadorias especiais para policiais e professores. E defendo transição clara e específica para os servidores públicos”, explica Fábio Trad.

Já no pacote anticrime, Trad diz ser favorável às propostas que que valorizam a colheita das provas e a sua qualidade como as provas DNA genéticas e afins. Além disso, defende ajustes no que diz respeito às mudanças no tribunal do júri, embargos infringentes, prescrição e recurso em sentido estrito.

“Sou favorável, no pacote, aos procedimentos que agilizam o ressarcimento das vítimas, bem como mais rigor nas penas para organizações criminosas”, pondera.

Mais notícias