Chiquinho pede para ser proponente, mas diz que Justiça deve barrar CPI da Energisa

Vereadores querem que abertura ‘pressione’ Assembleia a instaurar investigação

Líder do prefeito (), o vereador Chiquinho Telles () pediu para assinar a abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Energisa na Câmara de Campo Grande como proponente nesta terça-feira (29), após o vereador Vinícius Siqueira (DEM) conseguir as dez assinaturas necessárias para instaurar a investigação. Apesar do pedido, Telles disse acreditar que a Justiça deva barrar a CPI.

“É um contrato estadual, de competência federal. Eu e vários outros vereadores assinamos para pressionar a Assembleia a instaurar essa investigação. Acredito que aqui na Câmara deve ser barrada pela Justiça, exatamente por essa questão de competência”, afirmou. A concessão do serviço é feita pela União no Estado.

Além dele, pediram para assinar como proponentes os vereadores André Salineiro (B) e Valdir Gomes (PP). “Não posso não assinar esse pedido. Eu mesmo critico o serviço da concessionária de energia. Fiz requerimento solicitando informações e eles sequer respondem”, disse Telles.

“Vamos submeter o pedido ao jurídico da Casa para ver se temos essa prerrogativa de instaurar a CPI contra um contrato que é estadual. Mas eu vejo como um aceno para a Assembleia de que eles precisam investigar”, pontuou.

Proponente, Vinícius Siqueira também tentou instaurar a CPI do Consórcio Guaicurus, mas não obteve as assinaturas necessárias. “Hoje eu ajudei você a realizar um sonho”, brincou Gomes ao assinar o pedido com o parlamentar nesta terça.

CPI da Energisa

O vereador Vinicius Siqueira (DEM) apresentou pedido de abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Energisa na Câmara Municipal de Campo Grande e conseguiu dez assinaturas, mínimo necessário, para a abertura das investigações no Legislativo nesta terça.

Assinaram o pedido o propositor, Vinícius Siqueira, Ayrton Araújo (PT), (PP), Wilson Sami (MDB),  Dr. Loester (MDB), Gilmar da Cruz (PRB), Valdir Gomes (PP), Veterinário Francisco (PSB), Enfermeiro Fritz () e Betinho (Republicanos). Após o pedido, também assinaram os vereadores Enfermeira Cida (Pros), André Salineiro (B) e Chiquinho Telles ().

Na Assembleia, Contar defendeu o pedido de abertura afirmando que a CPI tem fundamento na reclamação de mais de 2 mil usuários no Procon sobre o suposto aumento abusivo das contas de energia. “Fui a duas audiências da Energisa neste ano e a única coisa que eles fizeram foi mostrar a composição tarifária. Não explicaram o aumento”, argumentou.

Já assinaram ao pedido os deputados Antônio Vaz (Republicanos), Evander Vendramini (PP), Lucas de Lima (SD), Neno Razuk (PTB), João Henrique (PL) e o proponente, deputado Capitão Contar.

A Assembleia já instaurou uma CPI da Enersul/Energisa em 2015, que acabou suspensa. Os deputados tentaram destravar as investigações com um recurso na Justiça Estadual, mas ele foi negado pelo órgão especial do Tribunal de Justiça.

À época, a CPI foi criada para investigar supostas irregularidades na gestão financeira da concessionária do serviço de distribuição de energia elétrica em Mato Grosso do Sul. Um dos argumentos utilizados pela empresa é que ela não poderia ser investigada por fatos ocorridos na administração anterior da concessionária, que foi vendida,a  antiga Enersul.

Chiquinho pede para ser proponente, mas diz que Justiça deve barrar CPI da Energisa
Mais notícias