Até líder do governo foi contra projeto de Reinaldo, diz Marçal Filho

Reunião do PSDB está marcada para às 18h para avaliar votos contrários dos parlamentares

Reunião marcada para às 18h na sede do PSDB em Campo Grande nesta segunda-feira (29), vai debater alguns assuntos, entre eles, os votos contrários dos três deputados tucanos com relação ao projeto do governo estadual, que reduziu o salário dos professores convocados. Um dos ‘desobedientes’ foi Marçal Filho. Segundo ele, até o líder do PSDB votou contra a proposta. 

Rinaldo Modesto, Marçal e Onevan de Matos, decidiram não seguir a recomendação do PSDB e não foram a favor do projeto de Lei que mudou diversos pontos na legislação dos convocados, entre eles, a redução salarial de 32%. A votação aconteceu no dia 11 deste mês. 

Rinaldo é líder do PSDB na Assembleia Legislativa e desde a 1º votação, se posicionou contrário. Até hoje (29), ele não tinha dado nenhuma declaração à imprensa sobre o voto.

Ao Midiamax, o deputado afirmou que sua história foi construída na política desde quando começou a ser conhecido como Professor Rinaldo. “Meu voto foi coerente, eu teria dificuldade de votar contra um segmento que eu sempre defendi. Eu sempre usei meu nome de Professor”.

Segundo o parlamentar, ele informou à base do PSDB que teria dificuldade de votar a favor do projeto. “O voto não foi para afrontar ninguém e muito menos o governo”. 

Sobre a reunião do PSDB, Rinaldo diz estar fora do Estado e não recebeu nenhum convite. “Para mim não chegou nada, mas o partido tem liberdade para tomar a decisão que achar necessária”.

O deputado douradense, Marçal Filho, foi a favor do projeto na primeira votação, mas mudou o voto na segunda avaliação da proposta. Ele, que também não foi convidado para a reunião, voltou a dizer que até o líder do PSDB foi contrário. “Todo mundo sabe que em qualquer parlamento do mundo a orientação que se segue é a orientação da liderança do partido. Rinaldo foi contrário desde a primeira votação”, lembrou.

O parlamentar não foi convidado para a reunião tucana. “Nem pessoalmente, e-mail, ligação ou WhatsApp. A gente só pode ir em algum lugar, quando a gente é convidado”. 

Questionado sobre o que achava da reunião, o deputado considera que o PSDB deve se reunir mais. “A decisão é do partido, ele tem que decidir. A decisão que vier, quais as medidas, eu vou analisar. O partido está se reunindo pouco, essa reunião deveria ter sido feita antes da votação com os cinco deputados da sigla e não depois”.

Ao contrário de seus correligionários, Onevan de Matos recebeu o convite da executiva para participar da reunião. “Os motivos de votar contrário ao projeto, eu vou dizer pessoalmente”, se limitou a responder. Na primeira votação, Onevan votou a favor, mas mudou o voto na segunda análise feita no plenário. 

Mais notícias