Após agressão a mulheres em protesto por ônibus, Marquinhos diz que Consórcio será multado

Protestantes reclamaram de atraso em linhas de ônibus na sexta-feira (15) e guardas reagiram em conduta considerada excessiva

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirmou nesta segunda-feira (18) ao Jornal Midiamax que vai multar o Consórcio Guaicurus, depois do protesto de mulheres no Terminal Morenão, que ocorreu na sexta-feira (15). O chefe do Executivo municipal admitiu que houve excesso na conduta dos guardas municipais, já afastados das ruas para apuração interna.

Prefeito Marquinhos Trad. (Minamar Junior, Arquivo).

“Vamos tomar duas medidas, uma pela Agetran [Agência Municipal de Trânsito] e outra pela Agereg (Agência de Regulação dos Serviços), duas delas punitivas”. O prefeito, no entanto, não quis adiantar qual o motivo da penalidade ao consórcio, afirmando que uma nota à imprensa, que será divulgada ainda nesta segunda-feira, detalhará as informações.

Afirmou, ainda, que a redução da frota nos feriados e domingos é prevista em contrato, portanto, não seria este um dos motivos para aplicação de multas. “Nós chegamos a conclusão de que estão circulando 600 ônibus”.

Excesso

O prefeito Marquinhos Trad afirmou que houve excesso na conduta dos servidores, que chegaram a lançar spray de pimenta contra os manifestantes. “O que cabe à Prefeitura, nós vamos agir com rigor. Já afastamos os guardas que estavam no momento e, pela filmagem, a conclusão é que se excederam, por isso foram afastados, sem prejuízo dos salários. Apenas tiramos da rua e concluímos que houve irregularidade do Consórcio Guaicurus”. Os guardas ficarão longe das ruas por, no máximo, 60 dias.

Segundo o chefe do Executivo municipal, as empresas do transporte coletivo teriam alegado que não sabiam que na sexta-feira o comércio abriria normalmente. “Eles justificam que o comércio sempre informou a abertura excepcional, dessa vez não foram informados, nem pela CDL [Câmara dos Dirigentes Lojistas] nem pela Associação Comercial.

O que aconteceu

A Guarda Municipal usou spray no Terminal Morenão, localizado na Avenida Costa e Silva em Campo Grande, para acabar com a manifestação de mulheres no local. Elas reclamaram que, por ser feriado, o Consórcio Guaicurus não respeitou o horário da linha 070 e 072, atrasando-as para o trabalho.

Naquela manhã, o local foi fechado por cerca de 100 mulheres e homens por falta de ônibus que percorre a Avenida Eduardo Elias Zahran. Armados, guardas municipais jogaram spray em algumas pessoas para tentar dispersar os manifestantes e tentar furar o bloqueio com a viatura para liberar a passagem de ônibus.

A equipe que atuou no Terminal Morenão é considerado a ‘elite’ da GCM (Guarda Municipal Metropolitana) em Campo Grande. Durante a atuação no protesto, que envolvia em sua maioria domésticas, o grupo atuou com sprays e apontou arma para as manifestantes. O GPI (Grupo de Pronta Intervenção) é composto por guardas que passaram por treinamento do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) do Rio de Janeiro.

Várias viaturas foram colocadas no terminal, sob gritos dos manifestantes, usuários do transporte público que gritavam sobre a situação. Uma das manifestantes ficou com o olho machucado por causa do spray usado pelos guardas.

Mais notícias