Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Senador Pedro Chaves lembra de Wilson como ‘amigo’ e ‘político incontestável’

Parlamentar enviou condolências a amigos do ex-governador

O senador Pedro Chaves (PSC) publicou em seu perfil na rede social Facebook uma mensagem de apoio à família e amigos do ex-governador do Estado, Wilson Barbosa Martins, falecido na madrugada desta terça-feira (13).

Na mensagem, Chaves destaca que Dr. Wilson, como era conhecido, foi um “político incontestável” e que “amou Campo Grande e Mato Grosso do Sul de forma plena”, em seus mandados como governador e prefeito.

“Eu lamento muito. Wilson Martins foi um grande amigo da minha família e um homem profundamente comprometido com os valores democráticos e éticos. Foi um líder político incontestável”, escreveu o senador.

Ele completa dizendo que Martins foi “um homem que amou Campo Grande e Mato Grosso do Sul de forma plena”, e deseja “aos seus amigos e familiares nossas condolências”.

Morte

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, Wilson Barbosa Martins morreu na madrugada desta terça-feira (13), em sua residência, na rua 15 de Novembro, em Campo Grande. Ele estava sob cuidados médicos em casa.

Em junho do ano passado, o ex-governador foi internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva) do Proncor, em Campo Grande. Em 2013, ele sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e em 2014, um mal súbito que o deixou internado por 21 dias.

História

Eleito prefeito de Campo Grande na legenda da UDN em outubro de 1958, assumiu a prefeitura em janeiro do ano seguinte. Em outubro de 1962 elegeu-se deputado federal por Mato Grosso, ainda na UDN. Deixando a prefeitura em janeiro de 1963, ocupou a cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro seguinte.

Nas eleições de novembro de 1982 foi eleito governador do estado de Mato Grosso do Sul na legenda do PMDB. No pleito de outubro de 1994 foi novamente eleito governador do Mato Grosso do Sul, na legenda do PMDB, já no primeiro turno e com 41,43% dos votos. Wilson Martins passou o governo para Zeca do PT em 1º de janeiro de 1999.

Você pode gostar também