Professor preso pela PF comprava votos para candidato ao Senado, que nega envolvimento

Foi preso logo após pagar eleitores para adesivarem veículos e votarem em Delcídio, segundo Polícia Federal

Delcídio nega que tenha contratado cabos eleitorais (Foto: Marcos Ermínio)

O professor preso em flagrante pela Polícia Federal na noite de ontem, quarta-feira (3), na Avenida das Bandeiras, na Vila Carvalho, estaria comprando votos para o candidato ao Senado pelo PTC, Delcídio do Amaral, que nega e levanta suspeita de uma ‘armação política’.

De acordo com a PF, o professor, um homem de 35 anos que ainda não teve a identidade revelada, foi preso logo após efetuar pagamentos a eleitores para adesivar alguns veículos e entregar uma espécie de ‘cola’ com os nomes de urna e números dos candidatos supostamente favorecidos.

A prisão só veio a público na manhã desta quinta-feira (4), e junto com o professor a PF também apreendeu R$ 800, material de campanha e uma relação de eleitores que já haviam sido pagos para adesivarem os carros e que, supostamente, já tinham se comprometido a votar em Delcídio.

Ainda segundo a Polícia Federal, o suspeito preso deve responder por compra de voto, e, se condenado, pode pagar multa e pegar até quatro anos de prisão.

Armação

Procurado pela reportagem, o ex-senador Delcídio do Amaral, negou que tenha contratado cabos eleitorais para sua campanha, e que não ‘permite, autoriza ou apoia qualquer iniciativa de seus simpatizantes fora dos limites da lei’.

O PTC afirmou que também vai solicitar investigação do caso, e, por nota assinada por seu presidente regional, Cezar Gazolla, pontuou que a ação do professor preso tem característica de ‘armação política’.

Mais notícias