PRISÃO DE LULA: Marun diz que não cumprimento de decisão é ‘preocupante’

Ministro disse que governo Temer não se manifestará

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun (MDB-MS) afirmou que o Palácio do Planalto não se manifestará sobre o imbróglio jurídico que envolve o pedido de prisão do ex-presidente Lula (PT).

“Entendemos, à princípio, como uma questão do judiciário. Enquanto governo, o Poder Executivo (gestão de Michel Temer, MDB) não se manifesta a respeito do assunto”, declarou o ministro com exclusividade ao Jornal Midiamax. 

Todavia, o ministro, que já fez duras críticas ao governo do PT e foi uma das mais combativas vozes na Câmara dos Deputados durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), foi sucinto ao emitir sua opinião pessoal e disse ser ‘preocupante’ uma eventual recusa de Lula à determinação do juiz Sérgio Moro.

“Decisões jurídicas podem até ser criticadas, agora, elas têm que ser cumpridas. A recusa ao cumprimento de uma decisão que seguiu devido processo legal me preocupa”, limitou-se a dizer Carlos Marun sobre o assunto.

Prisão

O ex-presidente Lula afirmou no começo da manhã desta sexta-feira (6) ao Jornal Folha de São Paulo que não pretende cumprir a ordem de Moro de se entregar na Polícia Federal, em Curitiba (PR), até as 17h (horário DF) de hoje.

Lula está desde ontem, quinta-feira (50), no principal reduto petista da região do ABC paulista, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP). A defesa do petista não decidiu se ele vai se apresentar na PF em São Paulo ou se vai esperar os agentes onde está, onde milhares de pessoas favoráveis ao ex-presidente já se aglomeram e promete um corredor humano em volta do petista.

Mais notícias