Força-tarefa eleitoral apura indícios de 25 mil irregularidades em contas de candidatos

Se confirmadas, irregularidades podem resultar até em perda de mandato

Com o fim do prazo estipulado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para prestação de contas dos candidatos nas eleições deste ano, a corte divulgou nesta segunda-feira (12) que mais de 25 mil indícios de irregularidades nas contas dos candidatos estão sendo investigados.

As investigações estão sob responsabilidade do Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral, mas integram especialistas do TSE, TCU (Tribunal de Contas do Estado), MPF (Ministério Público Federal), COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Receita Federal e Polícia Federal.

Entre as irregularidades, de acordo com o G1, são apuradas doações e gastos de campanha de candidatos a senador, governador e até presidente. Não foram divulgados quais sãos os políticos alvos das apurações e tampouco dados regionalizados sobre os indícios de irregularidades.

Ainda de acordo com a força-tarefa, estão sob suspeita montante que soma R$ 53,7 milhões. A principal suspeita envolve artifícios usados para mascarar doações feitas por empresas a candidatos, situação proibida a partir dessas eleições.

Em caso de confirmação das irregularidades, políticos e doadores podem sofrer punições, entre elas multa, suspensão de repasses do poder público, até cassação de mandato.

Mais notícias