Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Trad quer eleição direta para diretor e vai chamar mil professores concursados

Projetos foram encaminhados à Câmara

Durante agenda pública na manhã desta quinta-feira (21), o prefeito Marquinhos Trad (PSD) anunciou que encaminhou dois projetos de lei à Câmara de Vereadores que atendem reivindicações do setor da educação pública na Capital.

A Prefeitura deve convocar, no começo de 2018, pelo menos mil professores aprovados em concursos públicos realizados entre os anos de 2013 a 2016 e que aguardam nomeação.

Em setembro passado, uma decisão do Justiça, atendendo ação ajuizada pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual), proibiu o município de contratar professores temporários, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.

A decisão foi motivada por dezenas de processos impetrados por professores concursados à espera de convocação. A Justiça entendeu que há na Reme (Rede Municipal de Ensino) inúmeras ‘vagas puras’, ou seja, sem professor efetivo lotado.

Outro fato que motivou a convocação dos concursados, segundo o secretário municipal de finanças, Pedro Pedrossian Neto, é que os efetivos assim que nomeados devem aumentar em R$ 8.5 milhões por ano a contribuição com o IMPCG (Instituto Municipal de Previdência Social). O prefeito ainda destacou que nos últimos quatro anos, o número de professores concursados convocados não chegou a 460. 

Outro projeto que também deve ser analisado nesta terça-feira é a proposta que estabelece eleição direta para diretor nas escolas municipais. “Acabou essa história de apadrinhado (político)”, afirmou Marquinhos.

A Câmara da Capital deve analisar, além destes dois projetos, outras sete propostas referente ao Prodes (Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande) na sessão de hoje.

Reforma

Ainda durante o evento, o prefeito confirmou que só deve tratar da reforma da previdência municipal após uma definição colegiada do STF (Supremo Tribunal Federal), uma vez que o ministro Ricardo Lewandowski suspendeu os efeitos da Medida Provisória que aumentava a contribuição previdenciária dos servidores da União.

“Já disse para vocês que aquando saiu decisão eu parei, sou sincero, poderia ter feito como Reinaldo (governador Reinaldo Azambuja, PSDB) e continuado”, finalizou o prefeito. 

Você pode gostar também