Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Doria diz que, se Lula é Messi, ele é Neymar

Prefeito rebateu declaração feita pelo ex-presidente

​Falando para uma plateia fechada, de empresários e políticos ligados ao seu grupo, e evitando o contato com o público, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), deu tom de campanha à sua fala no 1º Fórum Empresarial de Gestão. O tema da palestra era “Práticas Inovadoras na Gestão de Cidades”. Realizado pela iniciativa privada cearense, por meio da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza, o fórum tem apoio institucional do Lide Ceará (Grupo de Líderes Empresariais do Ceará). Doria é fundador e presidiu a direção nacional do Lide até assumir o posto de prefeito paulistano.

O tucano usou o evento para rebater declaração feita na manhã desta sexta-feira (18) pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, como Doria, está em caravana pelo Nordeste. O petista começou na quinta-feira (17) a imersão, que começou por Salvador (BA) e nesta sexta-feira (18) visitou Cruz das Almas no interior baiano. Doria passou por Salvador e Natal antes de chegar à capital cearense. Ainda tem eventos em Recife e Campina Grande.

Na manhã desta sexta-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que Doria “faz tipo, como se fosse um cara de novela” e se comparou aos astros do Barcelona e do Real Madrid, Leonel Messi e Cristiano Ronaldo,respectivamente.

“Ele tem um papel a seguir. O papel dele é o seguinte: eu vou atacar o Messi ou Mascherano no Barcelona? Vai no Messi! Vou atacar o Sergio Ramos ou Cristiano Ronaldo no Real Madrid? Ele pega a pesquisa –e é isso que deixa essas pessoas loucas. Eu estou apanhando quem nem cachorro vira-lata, e quando esses caras têm uma pesquisa, eu estou na frente na espontânea, na estimulada, ganho no primeiro, ganho segundo turno, ganho de todos juntos”, disse Lula em entrevista nesta sexta-feira (18) à rádio Metrópole, em Salvador.

Na palestra, Doria disse, ao fim do discurso, que, se Lula se compara a Messi, ele quer ser o Neymar, “pois representa as cores do Brasil, o verde e amarelo”. Embora voltado para empresários, o prefeito paulistano não falou de economia durante o evento.

Messi, argentino, é considerado um dos maiores craques da atualidade, ao lado do português Cristiano Ronaldo. Neymar, brasileiro com maior prestígio na seleção e fora do país, recentemente trocou o Barcelona de Messi pelo Paris Saint-Germain. Nas eleições de 2014, Neymar declarou voto em Aécio Neves (PSDB).

Irritado, Doria rebateu: “O Lula me atacou e disse que é o Messi. Pois então, Lula, eu te digo que eu prefiro ser o Neymar, que é brasileiro e negro, que sabe o que fazer com a bola, sabe defender as cores do Brasil. A minha seleção não é a Argentina”. Antes, o prefeito paulistano dissera que o petista, “além de sem vergonha, preguiçoso, mentiroso e covarde, você é inexpressível”, e apontou que ele e seu grupo político “arrasamos o PT na cidade de São Paulo”, nas eleições de 2016. Por fim, ele chamou Lula para a disputa.

“Aviso ao Lula que ele pode se candidatar porque vai perder de quem estiver como candidato. Ele já disse que sou um nada, pois o nada derrotou o PT em São Paulo”, afirmou Doria, quase aos gritos, à plateia de empresários. “O Brasil não é seu. Venha disputar a eleição com quem você quiser”, declarou.

O prefeito ainda reforçou seu trabalho em programas polêmicos como a intervenção na Cracolândia, região na área central de São Paulo conhecida pelo consumo de drogas. Em uma dessas investidas, um prédio habitado começou a ser demolido com pessoas dentro dele. Conforme apurou o UOL, Doria afirmou que o programa dele de combate ao “narcotráfico na Cracolândia é um sucesso” e que com ele não tem “ONG distribuindo cachimbo para fumar crack”.

Doria chegou a Fortaleza pela pista de pouso particular do grupo M. Dias Branco, que produz alimentos à base de farinha e cuja família proprietária é considerada a mais rica do Nordeste. Doria foi recebido pelo vice-presidente do grupo, Geraldo Luciano, e teve uma reunião a portas fechadas com o senador Tasso Jereissati (PSDB).

Você pode gostar também