Renegociação da dívida pode ajudar na demarcação de terras indígena, diz Reinaldo

Cada governo aportaria uma parte

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) acredita que se a questão da dívida de Mato Grosso do Sul avançar e ocorrer recontratualização o Estado pode auxiliar a União a tirar do papel a demarcação das áreas indígenas.

“Se acontecer a recontratualização da dívida e da forma que vier, pode aumentar o fluxo financeiro até para o Estado poder ajudar nessa questão das demarcações. O governo Federal aporta uma parte e a gente aporta outra e tenta distensionar este conflito das regiões em Mato Grosso do Sul”, disse durante agenda pública na tarde desta sexta-feira (17).

Os governadores de todos os estados do Brasil devem se reunir na casa do chefe do Executivo de Brasília na próxima segunda-feira (21), justamente para levar um única proposta à União em relação a dívida. “Fizemos uma proposta ao governo Federal e a União fez outra. Vamos nos reunir para ver se fechamos isso”, explicou.

No noite desta sexta Azambuja tem jantar marcado com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, no CMO (Comando Militar do Oeste). Na pauta está a tensão entre indígenas e produtores rurais em Caarapó, a 276 quilômetros de Campo Grande.

Ocupação e conflito – Cerca de 600 indígenas, da etnia Guarani-Kaiowá, estão desde o último domingo (12), ocupando a fazenda Yvu, em Caarapó. A área reivindicada faz parte, segundo a comunidade, do território Tey’i Juçu e fica ao lado da aldeia Tey Kue. Na terça-feira (14), o agente de saúde indígena Cloudione Rodrigues Souza, de 26 anos, foi atingido por um tiro durante um confronto e morreu antes mesmo de chegar ao hospital.

Ficaram feridos no confronto um menino de 12 anos, que foi atingido com um tiro na barriga. Ele foi operado e já está consciente. O garoto teve lesões no estomago, intestino e rim. 

Jesus de Souza, de 29 anos, também ferido na barriga passou por cirurgia está consciente. Libesio Marques Daniel, de 43 anos, levou quatro tiros e foi ferido no tórax, barriga e cabeça. Ele não precisou passar por cirurgia e está consciente. Valdilio Garcia, de 26 anos, foi ferido com um tiro no tórax e passou por cirurgia para a instalação de um dreno. Norivaldo Mendes, de 37 anos, liderança indígena passou por um procedimento cirúrgico para colocação de um dreno no tórax.

Renegociação da dívida pode ajudar na demarcação de terras indígena, diz Reinaldo
Mais notícias