Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Suspeito confessa mortes no Guanandi por briga de gangue e livra comparsa

Depoimento durou 4 horas e resolveu duplo homicídio

Jean Carlos Rocha Martins, de 21 anos, confessou ser o autor dos disparos que matou dois jovens e feriu mais três, no Guanandi, no último domingo (6), mas livrou a identificação do comparsa, por medo de represálias. Um dos advogados do autor disse que a família tem recebido ameaças e a arma usada no crime não foi entregue.

Ele e o irmão se apresentaram na 5ª Delegacia de Polícia Civil acompanhados dos advogados Edgar Gomes e Wilson Godoy, e prestaram depoimento por mais de quatro horas ao delegado João Reis Belo.

O advogado Edgar disse à reportagem, que o cliente confessou a autoria e disse que teria disparado de 11 a 12 tiros, mas que na verdade houve uma troca de tiros. Ele teria revidado os disparos da vítima.

Conforme o delegado, os irmãos teriam uma rixa com as vítimas, porém não são considerados gangue. "Eles chegaram a ser amigos, mas começaram a se desentender e atualmente eram rivais", disse.

No dia do crime, Romarinho teria passado de moto pelo irmão de Jean e esbarrado nele mostrando uma arma. A ação, conforme depoimento de Jean, foi o estopim para o crime.

Jean então saiu da casa dos pais, e, na companhia de um comparsa identificado apenas como "Pretinho" foram tirar satisfação com a vítima. Ainda em depoimento disse que quando chegou para conversar com Romarinho, ele sacou uma arma e iniciaram uma troca de tiros. No momento, "Pretinho" estava armado.

Nessa troca de tiros, Mykael Vinícius Godoy Rolon, de 22 anos, e Alex Duarte Ferreira, de 17 anos, morreram. Um adolescente de 16 foi atingido na lombar e já passou por duas cirurgias. Um adolescente de 13 anos levou uma coronhada, foi atendido e liberado. 

Romarinho também teria sido baleado de raspão foi atendido no dia do crime e liberado. Ele ainda não foi encontrado pela Polícia.

O advogado ressalta que já haviam sido registrados boletins de ocorrência contra as vítimas e por medo de represália o cliente não passou a identificação do comparsa. Ele pontua que a família de Jean também tem recebido ameaças.

A arma do crime não foi entregue na delegacia e o advogado disse que entregaria, pois seria uma arma a menos nas ruas. Mas a investigação ficará responsável por localizar.

O delegado disse que Jean afirmou que deixou o revólver com "Pretinho" e que não sabia onde estaria a arma. Anteriormente, Jean teria mencionado o nome de um jovem identificado como "Igrejinha", mas depois voltou atrás e afirmou ter sido um equívoco.

O delegado confirmou a existência dos boletins de ocorrência e disse que serão analisados na investigação. 

João Reis ressalta que duas vítimas ainda não conseguem falar, porém serão ouvidas. Testemunhas também deverão prestar depoimentos.

A polícia deve investigar se a versão do autor é verídica e se o irmão de Jean realmente não teve participação.

Por ter se apresentado espontaneamente, Jean deve responder em liberdade. O menino, de 13 anos, prestou depoimento, mas estava muito assustado e deverá retornar à delegacia. Romarinho já teria sido preso três vezes vezes em flagrante e Jean tem passagem por porte ilegal de arma de fogo.

Veja as matérias relacionadas:

Tiroteio mata um e deixa três feridos no Guanandi
Polícia identifica duas vítimas que morreram após tiroteio no Guanandi
Mortes no Guanandi foram causadas por rixa entre gangues, dizem vizinhos
Vítima de tiroteio no Guanandi passa por segunda cirurgia na Santa Casa
Suspeito de cometer duplo homicídio no Guanandi se apresenta junto com irmão

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...