Velório reúne famílias e parentes dizem que jovens que morreram em acidente eram ‘parceiros em tudo’

Velório de Eduardo Bruschi durou 2 horas em razão do coronavírus

A despedida de amigos de Eduardo Bruschi, 21, na tarde deste sábado (8) nas reuniu dezenas de pessoas na capela da Pax Nacional das , em Campo Grande. As máscaras de proteção ao coronavírus eram insuficientes para esconder a tristeza daqueles que teriam apenas 2 horas para dizer adeus ao jovem, “muito querido” na Coophavila II, que falecera na sexta-feira (8) em um acidente na Avenida Prefeito Lúdio Martins Coelho ao lado da namorada, de 17anos.

O velório teve início às 14h e se encerraria à 16h, por conta das medidas sanitárias de enfrentamento à Covid-19 – que incluem sepultamentos em curto período de tempo e barram aglomerações. Por conta da pandemia, o jovem viu o sonho de iniciar uma faculdade ser paralisado; mas ao mesmo tempo comemorava a possibilidade de conquistar um novo emprego.

Eduardo e a namorada, Hellen Oliveira Diniz, 17, seguiam em uma Suzuki 750cc que colidiu em uma caminhonete Toyota que manobrava para deixar a Avenida em direção à Rua Rodolfo Andrade Pinho, no Taveirópolis. O casal estava junto há cerca de um ano. Eduardo faleceu no local, enquanto Hellen chegou a ser socorrida, mas também não resistiu.

“Ele era a melhor pessoa do mundo, um garoto meigo, educado”, afirmou a tia-madrinha de Eduardo, Yvy Pereira. As famílias dela e do rapaz viviam próximas, fazendo com que o garoto fosse criado junto com os parentes, segundo ela.

A tia disse que Eduardo planejava começar uma faculdade, plano atingido pela pandemia, algo que foi superado com a possibilidade de um emprego em uma loja de móveis da Capital – o jovem seguia para a entrevista no momento do acidente. “Ele estava empolgado com a entrevista e a namorada ia com ele, porque estava nervoso. Ela queria dar força”, contou Yvy, destacando ser esta uma rotina do casal, que estava sempre junto. “Eram parceiros para tudo”.

“Ele estava muito empolgado para começar a trabalhar”, contou Jackson Pereira, tio de Eduardo, segundo quem o sobrinho “era um menino muito respeitador e querido no bairro”.

Outra paixão do jovem eram as motocicletas. “Paixão em duas rodas…, só irei largar o par de rodas quando Deus me der um par de asas”, postou em seu perfil no Instagram.

Eduardo seria sepultado no cemitério das . O velório e sepultamento de Hellen ocorreu pela manhã. O acidente é investigado pelas autoridades. A caminhonete contra a qual se chocou rodou e parou no lado contrário da pista. Seus quatro ocupantes não se feriram.

Velório reúne famílias e parentes dizem que jovens que morreram em acidente eram 'parceiros em tudo'
Mais notícias