Militar nega ter atropelado garoto que vendia flores e diz que irmão estava dirigindo

Garoto de 13 anos foi levado com escoriações para UPA

O militar do Exército de 47 anos, que foi preso neste domingo (12), no São Conrado após atropelar um menino de 13 anos, que estava na calçada vendendo flores para o Dia das Mães, negou que tenha cometido o acidente afirmando que seu irmão é quem estava com o carro, um Volkswagen Gol.

Em depoimento depois de sua prisão, o militar contou que estava em uma conveniência na rua General Carlos Alberto Mendonça Lima bebendo, quando pediu para seu irmão manobrar o veículo que estava longe para colocá-lo mais próximo da conveniência, sendo que tempo depois pessoas chegaram ao local falando que ele havia atropelado o garoto e fugido.

Ele disse não saber onde o irmão foi parar, mas afirmou não ser ele o condutor do carro. Quando os policiais chegaram ao local, o militar se recusou a fazer o teste do bafômetro sendo lavrado, apenas, um termo de constatação de embriaguez. O garoto foi socorrido com escoriações para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Vila Almeida.

O militar passa por audiência de custódia nesta segunda-feira (13), quando será determinada a sua manutenção ou não da prisão.

Mais notícias