Pele Negra: há um ano, cantor morria durante tiroteio em tabacaria

Pele Negra tinha acabado de chegar na tabacaria quando um homem começou a atirar

No dia 5 de agosto de 2018, briga em uma tabacaria na cidade de Três Lagoas, distante a 325 quilômetros de Campo Grande, resultou na morte do cantor Jorge Edson dos Santos Ferreira de 27 anos, mais conhecido como ‘Pele Negra’.

Toda a confusão começou na madrugada, quando Márcio Pereira Viana, 24 anos, foi colocado para fora da tabacaria, após uma briga e prometeu que iria voltar para se vingar.

Como prometido, Márcio voltou meia hora depois, acompanhado de um amigo e cumpriu sua promessa. Armado com um revólver, ele começou a atirar várias vezes contra a porta principal do estabelecimento.

Os tiros transfixaram a porta e atingiram o segurança que estava atrás da porta, um funcionário de 21 anos e o cantor Jorge Edson dos Santos Ferreira que estavam atrás de um balcão.

Pele Negra havia acabado de chegar na tabacaria quando foi atingido pelos tiros. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

O autor, se apresentou na Delegacia de Polícia de Três Lagoas no dia seguinte ao crime, 6 de agosto. Ele confessou o crime e disse estar arrependido.

Durante seu depoimento ele contou que queria dar um susto nas pessoas que o haviam tirado de dentro do estabelecimento. Ele teve a prisão preventiva decretada e aguarda julgamento.

Pele Negra defendia o estilo Samba Rock. Tinha lançado o clipe Menina Mimada, pouco tempo antes do assassinato. O crime causou grande comoção na época, já que o músico era bem conhecido na cidade.

Considerado um sonhador, os amigos ainda usam as redes sociais para homenagear o cantor com mensagens carregadas de amor e boas lembranças e muita saudade.

Mais notícias