Secretário diz que não viu excessos em expulsão de índios de fazenda em MS

Sejusp manterá equipes policiais no local

Durante solenidade de entrega de equipamentos e viaturas à Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (5), secretário Antônio Carlos Videira comentou a expulsão de índios de fazenda em Aquidauana na última sexta-feira (3). Além de dizer não ter percebido excessos, ele afirmou que os policiais permanecerão no local.

Conforme o secretário da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública), serão mantidos os 80 policiais entre militares, civis e serviço de inteligência da Polícia Civil na região de conflito. “Se necessário também reforçaremos o policiamento no local”, afirmou.

Segundo Videira, os agentes permanecem para que sejam evitados crimes como furtos, roubos, ameaças e também os crimes ambientais de queimadas e desmatamentos. Ele afirmou que percebeu nas imagens e vídeos divulgadas o desmatamento na região e isso será evitado por meio das forças policiais.

Além disso, segundo o secretário, os agentes evitarão também crimes mais graves como eventuais confrontos e assassinatos que “graças a Deus não aconteceu nenhum”, conforme palavras de Antônio Carlos Videira. Para ele não houve excessos na expulsão dos índios Kinikinaus que ocupavam a Fazenda Água Branca em Aquidauana.

Expulsão

Conforme noticiado no dia 3 pelo Midiamax, advogado chegou a entrar com ação contra a Prefeitura de Aquidauana e Polícia Militar de Mato Grosso do Sul pela ação de retirada dos índios da fazenda. Relatos de pessoas que estavam no local são de que teria sido truculenta desproporcional.

O advogado chegou a dizer que os índios que estavam na fazenda foram atacados de surpresa por aproximadamente 100 policiais militares, sem mostrarem qualquer ordem judicial. O presidente da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de MS), Elias Mansour Karmouche, disse que a entidade não apoia invasão de terras. Ainda segundo Mansour, a utilização de aparato policial é procedimento padrão a que invasores de terra estão sujeitos.

Mais notícias