Aluno foi morto dentro de escola pública em MS por namorar ex do assassino

Colegas acharam que era brincadeira quando Carlos foi atingido na cabeça pelo tiro da espingarda

Durante seu depoimento nesta quinta-feira (8) ao ser preso e acusado pelo assassinato de Carlos Daniel, de 19 anos, na Escola Municipal Luiz de Albuquerque de Melo Pereira Cáceres, localizada no distrito de Albuquerque, área rural de Corumbá, cidade que fica distante 444 quilômetros de Campo Grande, ‘Neguinho’ disse que cometeu o crime por que a vítima estava se relacionando com sua ex-namorada.

‘Neguinho’ ainda disse que estava sendo ameaçado por Carlos, e por isso, no dia do crime foi até a sua casa para buscar a espingarda calibre 22. Ele, então, subiu no muro da escola e de lá fez um disparo que atingiu a cabeça da vítima que estava assistindo a aula, segundo o site Diário Corumbaense.

Os colegas de Carlos acharam no princípio que se tratava de uma brincadeira, e só depois perceberam que a vítima realmente havia sido baleada na cabeça. O socorro foi chamado, mas o rapaz morreu na escola.

O suspeito foi preso quando voltava do trabalho para sua casa. Em princípio, ele negou que havia cometido o crime, mas depois confessou aos policiais militares que assassinou Carlos por ‘problemas pessoais’ com a vítima.

A Secretaria Municipal de Educação emitiu nota onde declara que o assassinato ocorrido em sala de aula seria “um reflexo dos problemas sociais existentes na região”. Além disso, ressaltou que o policiamento escolar é frequente na unidade.

“A limpeza no pátio interno e no entorno da escola, onde é de responsabilidade da Prefeitura Municipal de Corumbá, é feita periodicamente pela Secretaria Municipal de Infraestrutura. A direção da escola mantém contatos permanentes com os órgãos de Segurança Pública para solicitar rondas no perímetro da escola e garantir a proteção dos alunos. A Prefeitura mantém a segurança no interior do colégio. No momento do ocorrido, um guarda municipal se encontrava no educandário”.

Mais notícias