Polícia

“Tenho nojo da trança dela”: funcionária de supermercado denuncia racismo de colegas

Funcionária de um supermercado em Três Lagoas, distante 323 km da Capital, denunciou ser vítima de racismo no local de trabalho, por parte da gerente e de suas colegas. Após dias ouvindo frases “em tom de brincadeira”, ela teve de ouvir de uma das funcionárias “tenho nojo da trança dela”. Segundo o registro policial, a […]

Danielle Errobidarte Publicado em 10/03/2021, às 17h52

Gerente teria falado que "contava moeda" igual a vítima, em tom irônico (Foto: Ilustrativa)
Gerente teria falado que "contava moeda" igual a vítima, em tom irônico (Foto: Ilustrativa) - Gerente teria falado que "contava moeda" igual a vítima, em tom irônico (Foto: Ilustrativa)

Funcionária de um supermercado em Três Lagoas, distante 323 km da Capital, denunciou ser vítima de racismo no local de trabalho, por parte da gerente e de suas colegas. Após dias ouvindo frases “em tom de brincadeira”, ela teve de ouvir de uma das funcionárias “tenho nojo da trança dela”.

Segundo o registro policial, a funcionária está na empresa há cinco meses, e relata que desde que entrou escuta elas “zoando” seu modo de trabalhar, e já havia pedido para que parassem, sem sucesso.

Na tarde desta quarta-feira (10), por volta das 13h30, uma funcionária teria ido até o caixa da vítima e perguntado se ela gostava de seu cabelo, em tom irônico. Em seguida, ela relata ter ouvido a gerente contar moedas e dizer que parecia a vítima “contando moedas”.

Mais tarde, ela ainda teria escutado a gerente do supermercado, junto a três funcionárias, dizer “tenho nojo da trança dela”, em sua referência.

O gerente, responsável pelos demais funcionários, teria ido até o caixa e se inteirado da conversa. A mulher relatou que ele alegou que, “caso ela não estivesse satisfeita, era para bater o ponto e ir embora”. A vítima relata ter batido o ponto e se dirigido até a 3ª DP (Delegacia de Polícia) de Três Lagoas, onde registrou boletim de ocorrência como injúria racial. O caso será investigado.

Segundo o Artigo 140, da Lei 2.848 do Código Penal Brasileiro, a pena para quem praticar, incitar ou induzir a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia ou religião é de um a três anos, e multa.

Jornal Midiamax