Polícia

Policiais são alvos de disparos após relato de tiroteio no Noroeste e suspeito é preso

Na madrugada deste domingo (7), homem de 42 anos foi preso em flagrante após tentar atirar contra policiais e também participar de um tiroteio no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Ele estaria acompanhado de um comparsa, de 30 anos, que conseguiu fugir. De acordo com a Polícia Militar, equipes foram acionadas para irem até a […]

Renata Portela Publicado em 07/03/2021, às 06h29 - Atualizado às 06h53

(Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)
(Foto: Henrique Arakaki, Midiamax) - (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Na madrugada deste domingo (7), homem de 42 anos foi preso em flagrante após tentar atirar contra policiais e também participar de um tiroteio no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Ele estaria acompanhado de um comparsa, de 30 anos, que conseguiu fugir.

De acordo com a Polícia Militar, equipes foram acionadas para irem até a região do Noroeste, onde ocorria um tiroteio. No local, moradores contaram que dois homens armados atiraram e ameaçavam as pessoas. Assim, foram feitas buscas e os militares encontraram os suspeitos, exaltados e gritando com populares, no meio da rua.

Na Rua Irene Gutierres, um dos suspeitos pegou a arma de fogo que estava no veículo prata e apontou para moradores, ameaçando novamente. As vítimas gritavam pela polícia, então a dupla entrou no veículo e foi de encontro à equipe policial, que fez abordagem. Mesmo assim os suspeitos aceleraram, tentaram atropelar os policiais e ainda atiraram contra os militares.

A equipe revidou os disparos e os suspeitos fugiram com o carro, mas o carona acabou descendo do veículo com a arma em mãos, jogando o revólver no chão. Ele tentou se esconder em residências na região, mas acabou preso em flagrante. Ferido, ele foi levado até o posto de saúde e liberado.

Questionado sobre o ocorrido, ele disse que atirou contra os policiais porque pensou que eram os desafetos dele e não tinha reconhecido os militares. A arma, um revólver calibre 22 foi apreendido e o caso registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro como disparo de arma de fogo, porte ilegal de arma de fogo e tentativa de homicídio, qualificada se praticada contra membro da Segurança Pública.

O comparsa foi identificado, mas não foi encontrado.

Jornal Midiamax