Polícia

Pesquisa americana aponta PCC como responsável por criminalidade na fronteira de MS

A organização americana InSight Crime, especializada em estudos sobre o crime organizado, aponta o PCC (Primeiro Comando da Capital) como o principal responsável pelo aumento da criminalidade em Pedro Juan Caballero, na fronteira com a cidade de Ponta Porã no Mato Grosso do Sul. Na pesquisa divulgada no site da organização, que tem como base […]

Marcos Morandi Publicado em 01/03/2021, às 07h13 - Atualizado às 09h59

Traficante internacionais estão usando contêineres para evar drogas até a Europa.(Foto: Focke Stranngmann)
Traficante internacionais estão usando contêineres para evar drogas até a Europa.(Foto: Focke Stranngmann) - Traficante internacionais estão usando contêineres para evar drogas até a Europa.(Foto: Focke Stranngmann)

A organização americana InSight Crime, especializada em estudos sobre o crime organizado, aponta o PCC (Primeiro Comando da Capital) como o principal responsável pelo aumento da criminalidade em Pedro Juan Caballero, na fronteira com a cidade de Ponta Porã no Mato Grosso do Sul.

Na pesquisa divulgada no site da organização, que tem como base as últimas apreensões recordes de cocaína na Alemanha, Bélgica e Costa do Marfin, e o desmantelamento do centro de produção que funcionava fazenda de Jarvis Pavão, que está preso no Brasil, o Paraguai aparece como peça chave na cadeia do tráfico internacional, ao lado de Brasil e Argentina.

Os levantamentos feitos pela InSight Crime e também publicados pelo ABC Color também levam em conta dados apurados nos últimos dois anos na Tríplice Fronteira que é formada pelos três países latino americanos e dá ênfase ao Paraguai, onde o narcotráfico e o contrabando se enraizaram no território nacional até se tornar a rota de comercialização mais frequente e viável para os criminosos.

Um dos pontos relatados no estudo americano é que o Paraguai, que sempre foi considerado o maior produtor de maconha entre os três países, também se transformou em grande processador de cocaína. Nesse sentido, as investigações apontam o chaco paraguaio, onde foram instalados vários laboratórios, entre eles o que foi desmantelado na propriedade de Pavão.

Sobre o tráfico de maconha, o material divulgado pela agência americana lembra que organizações criminosas brasileiras como o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o CV (Comando Vermelho) disputam o território no sul do país, especificamente em Itapúa, departamento que faz fronteira com a Argentina, onde o aumento do turismo abriu novos mercados para a venda da droga.

Ainda em referência à participação brasileira na cadeia do tráfico internacional, desde a entrada do PCC em Pedro Juan Caballero, que tenta assumir o controle da distribuição de drogas, houve um aumento da criminalidade devido ao estabelecimento e permanência da quadrilha criminosa no referido território.

Pesquisa americana aponta PCC como responsável por criminalidade na fronteira de MS
Mapa mostra o caminho internacional das drogas.(Gráfico: InSight Crime )

Jornal Midiamax