Polícia

Pecuarista é multado em R$ 3,3 mil por erosões e exploração ilegal de madeira

A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Rio Negro autuou um pecuarista em R$ 3,3 mil devido a processos erosivos em sua propriedade e exploração ilegal de madeira. Uma equipe de policiais ambientais realizava fiscalização nas propriedades rurais do município de Corguinho e autuou um proprietário rural ontem (24) à tarde. Na propriedade do autuado, localizada […]

Diego Alves Publicado em 25/03/2021, às 23h28

PMA
PMA - PMA

A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Rio Negro autuou um pecuarista em R$ 3,3 mil devido a processos erosivos em sua propriedade e exploração ilegal de madeira. Uma equipe de policiais ambientais realizava fiscalização nas propriedades rurais do município de Corguinho e autuou um proprietário rural ontem (24) à tarde.

Na propriedade do autuado, localizada na região conhecida como Taboco, foram verificados processos de ravinas e outros processos erosivos, devido à falta de conservação do solo no imóvel rural. Para os processos erosivos, nenhum de grande porte ainda, o fazendeiro já estava tomando medidas para mitigação e solução do problema e existia um projeto técnico assinado por um engenheiro, de recuperação da área degradada, que já estava em execução.

Na área onde a erosão estava sendo recuperada na propriedade foram localizados 8 m³ de madeira de exploração recente, para o qual o proprietário rural não possuía a licença do material lenhoso. Não havia o Documento de Origem Florestal (DOF), que é o documento ambiental para o transporte e armazenamento de qualquer produto florestal. A madeira estava em formato de estacas e esticadores e a maior parte já estava instalada em uma cerca que estava sendo construída. A madeira foi apreendida.

O proprietário rural (47), residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 3.300,00, pelos danos ambientais encontrados na propriedade e pela madeira ilegal. Ele também responderá pelo crime de exploração da madeira ilegalmente, com pena prevista de detenção seis meses a um ano.

Jornal Midiamax