Polícia

Organização que enviava cocaína para Europa por aeroportos é alvo da PF em MS

Uma organização criminosa que usava aeroportos internacionais para o envio de cocaína para a Europa é alvo da Operação Ikaro II deflagrada nesta quinta-feira (4) pela Polícia Federal na Bahia com cumprimentos de mandados também em Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande. São ao todo 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pela […]

Thatiana Melo Publicado em 04/03/2021, às 09h33 - Atualizado às 10h01

(Divulgação PF)
(Divulgação PF) - (Divulgação PF)

Uma organização criminosa que usava aeroportos internacionais para o envio de cocaína para a Europa é alvo da Operação Ikaro II deflagrada nesta quinta-feira (4) pela Polícia Federal na Bahia com cumprimentos de mandados também em Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande.

São ao todo 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal da Seção Judiciária de Salvador. As ações ocorrem em Salvador, Lauro de Freitas e Porto Seguro, na Bahia; e em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai. Não há informações de quantos mandados são cumpridos em Ponta Porã, e nem de valores apreendidos.

Foi determinada pela Justiça o bloqueio de valores depositados em contas bancárias em nome de 11 pessoas físicas e jurídicas investigadas. De acordo com as investigações, a organização criminosa usava aeroportos internacionais para o envio de cocaína para Lisboa, Portugal, de forma oculta em malas.

O grupo usava o modelo aéreo, com a cooptação de “mulas” para realização do transporte em voos comerciais para a Europa. A droga, geralmente, era escondida em bagagens. Entre os meses de janeiro e fevereiro do ano de 2020, foram realizadas sete prisões em flagrante nos Aeroportos Internacionais Luís Eduardo Magalhães, em Salvador, e Antônio Carlos Jobim – Galeão, no Rio de Janeiro.

A semelhança do modo de atuação e das circunstâncias levaram à identificação do envolvimento de uma mesma organização criminosa em todos os casos, cujos integrantes estão sendo alvo das medidas judiciais cumpridas na presente data. A operação conta com o apoio da Polícia Militar do Estado da Bahia, já que um dos investigados, com prisão preventiva decretada, era Policial Militar até janeiro deste ano.

Jornal Midiamax