Polícia

Mecânico ‘enrola’ 6 meses para consertar moto e some com veículo de cliente

Uma mulher de 39 anos procurou a Polícia Civil nesta quarta-feira (17), em Campo Grande, para denunciar o sumiço de sua motocicleta deixada há pelo menos seis meses em uma oficina do bairro Universitário, para reparos. O mecânico responsável não fez a manutenção e ainda teria sumido com o veículo da cliente. A vítima explicou […]

Renan Nucci Publicado em 17/02/2021, às 13h43 - Atualizado às 18h19

Foto: Ilustração
Foto: Ilustração - Foto: Ilustração

Uma mulher de 39 anos procurou a Polícia Civil nesta quarta-feira (17), em Campo Grande, para denunciar o sumiço de sua motocicleta deixada há pelo menos seis meses em uma oficina do bairro Universitário, para reparos. O mecânico responsável não fez a manutenção e ainda teria sumido com o veículo da cliente.

A vítima explicou que sua Honda Biz apresentou problemas, motivo pelo qual procurou a oficina para fazer manutenção. Na ocasião, o mecânico, de 36 anos, disse que seria necessário retificar o motor. Porém, não especificou qual seria o valor dos reparos. Mesmo assim, garantiu que a moto estaria pronta em um mês.

Contudo, se passaram seis meses e o serviço não foi finalizado. A cada contato, o mecânico dava uma desculpa diferente, alegando sempre questões técnicas. Cansada de esperar, a cliente foi até a loja para buscar a moto, quando teve uma surpresa: o veículo não estava no local, como deveria. 

Questionado, o dono da oficina disse que a moto estaria em uma chácara com seu irmão e chegou a sugerir que a vítima vendesse a moto ao irmão dele. Ele ainda se comprometeu em mediar as negociações. Mesmo desconfiada, a mulher aceitou o acordo, mas até agora não teve mais notícias nem sobre a moto, nem sobre o dinheiro da venda.

A cliente comentou ainda que, ao consultar a legalidade do veículo, constatou haver ao menos dez autuações registradas no Detran (Departamento Estadual de Trânsito) no período em que a moto deveria estar na oficina. O boletim de ocorrência foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do centro.

Jornal Midiamax