Polícia

Idoso morre em Campo Grande ao se engasgar comendo pão

Um idoso, de 72 anos, morreu ao se engasgar com um pedaço de pão enquanto tomava café da manhã nesta terça-feira (9), em Campo Grande. Há 16 anos ele estava acamado e fazia fisioterapia para melhorar a deglutição, pois tinha dificuldades em se alimentar. Conforme informações do boletim de ocorrência, a esposa do idoso contou […]

Danielle Errobidarte Publicado em 09/03/2021, às 17h57

Idoso estava acamado e fazia fisioterapia para se alimentar (Foto Ilustrativa)
Idoso estava acamado e fazia fisioterapia para se alimentar (Foto Ilustrativa) - Idoso estava acamado e fazia fisioterapia para se alimentar (Foto Ilustrativa)

Um idoso, de 72 anos, morreu ao se engasgar com um pedaço de pão enquanto tomava café da manhã nesta terça-feira (9), em Campo Grande. Há 16 anos ele estava acamado e fazia fisioterapia para melhorar a deglutição, pois tinha dificuldades em se alimentar.

Conforme informações do boletim de ocorrência, a esposa do idoso contou que ele possuía sequelas neurológicas devido a ter sofrido um atropelamento. Segundo ela, o marido costumava se engasgar nas refeições.

Foi o que aconteceu nesta manhã, quando ele fazia a primeira refeição do dia, por volta das 9h.  A esposa chegou a pedir ajuda para os vizinhos e acionou o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Os médicos fizeram manobras para desengasgá-lo, mas sem sucesso.

Cuidados com alimentação de crianças idosos

O Jornal Midiamax conversou com o nutricionista Luís Felipe Lorenzon, que explicou que a idade avançada faz com que os idosos tenham maior dificuldade em salivar, ato importante para a deglutição. “Com o passar dos anos, os músculos responsáveis pela mastigação vão se enfraquecendo, somado a redução de saliva, perde de dentes ou uso de prótese dentária mal fixada, o idoso tem chances de acabar broncoaspirando, comumente chamado de engasgo”, explica.

Confira as dicas dadas pelo nutricionista para evitar que idosos engasguem – em especial, aqueles acamados:

  1. VOZ: Primeiro de tudo, é importante prestar atenção na voz! Se a voz estiver soprosa, fraca, ou como se houvesse alguma secreção presa na garganta (aquele barulho como se estivesse gargarejando), deve-se procurar ajuda profissional, para que o médico e o fonoaudiólogo possam avaliar se o idoso tem algum grau de disfagia.
  2. POSIÇÃO: As refeições devem ser feitas com o indivíduo bem sentado, com as costas apoiadas e firmes, de preferência a mesa. Se for na cama, coloque travesseiros ou apoio nas costas para ele fique sentado. Não é apenas a cabeça que deve ficar levantada, mas sim, o tronco inteiro.
  3. ACOMPANHE: É preciso sempre acompanhar as refeições junto com o idoso, ver se ele tem capacidade de levar a comida até a boca sozinho. Observe se o alimento permanece dentro da boca ou se o lábio está fraco e deixa a comida sair. Também veja se a comida fica muito tempo na boca, se ele está engolindo realmente. E mais importante! Não ofereça mais comida enquanto ele estiver mastigando, deixe ele engolir completamente. Algumas vezes você pode pedir para ver a língua, para confirmar que tenha engolido mesmo.
  4. TOSSE: Atenção a tosse! Se o idoso tosse sempre após se alimentar ou tomar algo, pode existir a possibilidade de que ele esteja aspirando um pouco do alimento. Isso com o passar do tempo, pode gerar uma pneumonia broncoaspirativa.
  5. LÍQUIDOS E SÓLIDOS JUNTOS: Evite refeições que sejam líquidas e sólidas ao mesmo tempo, como sopas e guisados com pedaços. Dê preferência por um tipo de consistência por vez. Você pode bater a sopa para facilitar a deglutição. Também evite alimentos muito secos, como farofa e cuscuz, já que os idosos tem menor produção salivar e compromete a deglutição.
  6. RETIRE: Devem ser retirados ossos, cascas e caroços dos alimentos (ex: azeitonas) ofertados aos idosos.
  7. PERIGOSOS: Os líquidos são sempre mais perigosos! Água, sucos, chás e etc, pela sua consistência líquida são mais fáceis de serem passarem pela laringe e serem broncoaspirados.
  8. NÃO ESPERE. Se o idoso não estiver conseguindo comer normalmente pela boca, a família não deve esperar, tem que procurar ajuda a fim de evitar que ele entre em desnutrição ou haja uma piora do quadro, se ele já for acamado.
Jornal Midiamax