Polícia

Homem que matou por causa de marmitex tem prisão preventiva decretada pela Justiça

Alexandre Rodrigues de Matos, de 24 anos acusado pela morte de um homem, que ainda não foi identificado, na noite desta quarta-feira (24), em Campo Grande, próximo ao Mercadão Municipal em Campo Grande, por causa de um marmitex achado na rua, teve a prisão preventiva decretada, nesta quinta-feira (25). A prisão em flagrante foi convertida […]

Thatiana Melo Publicado em 25/02/2021, às 12h37 - Atualizado às 18h31

Se entregou à GCM logo após o crime (WhatsApp)
Se entregou à GCM logo após o crime (WhatsApp) - Se entregou à GCM logo após o crime (WhatsApp)

Alexandre Rodrigues de Matos, de 24 anos acusado pela morte de um homem, que ainda não foi identificado, na noite desta quarta-feira (24), em Campo Grande, próximo ao Mercadão Municipal em Campo Grande, por causa de um marmitex achado na rua, teve a prisão preventiva decretada, nesta quinta-feira (25).

A prisão em flagrante foi convertida em preventiva durante a audiência de custódia, onde nada ele disse. A vítima foi assassinada com pauladas durante uma briga por causa de um marmitex. Quando preso Alexandre disse na delegacia, que teria sido desaforado pela vítima e por isso cometeu o crime. Em depoimento à polícia, ele confessou ter matado a vítima e falou que ambos eram moradores de rua e brigaram por conta de marmita, e só teria percebido que havia assassinado o homem quando depois das pauladas teria espirrado sangue em seu rosto.

Ainda segundo o autor, a vítima foi quem encontrou o marmitex no local, na calçada da Rua 7 de Setembro, próximo ao Mercadão. Durante a discussão, o autor relata que pegou uma barra de ferro que estava próxima, atingiu o homem na perna e depois o golpeou na cabeça por mais quatro vezes.

Após o crime, ele então se entregou na base central da GCM (Guarda Civil Municipal) na Praça do Rádio Clube. A vítima foi encontrada próximo a sacos de lixo por funcionários da Solurb. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegou a ser acionado, mas o homem já havia morrido devido a traumas na cabeça.

Com a vítima, foram encontradas duas porções de pó branco. A substância foi encaminhada à Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), que, após análise, testou negativo para entorpecente.

Jornal Midiamax