Polícia

Ex-funcionário que matou dona de restaurante a facadas é condenado a 31 anos de prisão

Nesta segunda-feira (8), foi Fabiano Velasques Alexandre foi condenado a 31 anos e 8 meses de prisão, pelo homicídio de Liane Aparecida de Arruda, de 51 anos. A vítima era proprietária de um restaurante em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, e foi morta em julho de 2020 ao reconhecer pela voz o ex-funcionário, […]

Renata Portela Publicado em 09/03/2021, às 14h13

Fabiano participou de reconstituição do crime (Foto: Polícia Civil)
Fabiano participou de reconstituição do crime (Foto: Polícia Civil) - Fabiano participou de reconstituição do crime (Foto: Polícia Civil)

Nesta segunda-feira (8), foi Fabiano Velasques Alexandre foi condenado a 31 anos e 8 meses de prisão, pelo homicídio de Liane Aparecida de Arruda, de 51 anos. A vítima era proprietária de um restaurante em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, e foi morta em julho de 2020 ao reconhecer pela voz o ex-funcionário, Fabiano, durante roubo.

Conforme o relatório, o crime ocorreu entre a noite do dia 11 de julho e a madrugada do dia 12, na casa da vítima que era integrada ao restaurante. Fabiano roubou a vítima utilizando uma faca, levou o carro e ainda R$ 9 mil em espécie, mas matou Liane antes de fugir, após ela o reconhecer.

Fabiano confessou que passou o dia bebendo e usando drogas e, à noite, ficou sem dinheiro e foi até o restaurante onde já havia trabalhado para praticar o roubo. Ele aguardou a vítima levar os funcionários para casa e, quando Liane retornou, foi rendida, amordaçada e colocada em um dos quartos.

O autor foi até o outro cômodo onde estava o dinheiro e ao sair deu de frente com a vítima, que o reconheceu e disse seu nome. Neste momento, Fabiano deu dois golpes de faca na vítima e saiu do local com o carro dela. Ele ainda contou que usou os R$ 9 mil roubados para pagar dívidas e que abandonou o carro por volta das 7 horas.

Foi apurado na investigação policial que Fabiano ainda continuou bebendo com um amigo após o crime, antes de decidir abandonar o carro. O juiz André Luiz Monteiro, ao analisar o caso, decidiu por imputar a pena de 31 anos e 8 meses de reclusão, além do pagamento de 216 dias-multa. Ele deve cumprir a pena em regime inicial fechado.

Jornal Midiamax