Polícia

De lados opostos em ação, advogados protagonizam briga que vai parar na Delegacia da Mulher

Advogada diz ter sido ameaçada por colega durante processo de reintegração de posse

Danielle Errobidarte Publicado em 05/04/2021, às 17h40

Desentendimento ocorre durante processo de reintegração de posse.
Desentendimento ocorre durante processo de reintegração de posse. - (Foto: Ilustrativa)

Dois advogados protagonizam uma briga judicial – e pessoal – ao longo de um processo de reintegração de posse que tramita em Campo Grande. Nesta segunda-feira (5), a advogada de uma das partes prestou queixa contra o colega na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Ela diz estar recebendo ameaças constantes do advogado da parte oponente na ação, e o caso foi parar até na Deam (Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher). No domingo (4), as filhas da advogada decidiram expor nas redes sociais, em transmissão ao vivo, a ameaça que a mãe diz estar recebendo. 

Na manhã de hoje (5) as duas acompanharam a mãe, a advogada Rita de Cássia Felismina Pinto, de 59 anos, até a sede da OAB-MS. Por lá, elas fizeram representação contra o advogado Luiz Carlos Lanzoni Júnior, e pediram a cassação do registro de advocacia dele. Nesta terça-feira (6), a advogada se reunirá com a Comissão de Mulheres Advogadas da OAB. Além disso, registraram boletim de ocorrência de calúnia, injúria e ameaça na Deam.

No documento, obtido pelo Jornal Midiamax, Rita afirma que foi chamada pelo colega de profissão até seu escritório, e que “ele pediu para que ela fosse sozinha”. “Ele ficou 15 minutos aos ‘berros’, disse que não tinha medo de nada e que conhecia ‘pessoas influentes’ na Justiça, para me desestabilizar”, afirma Rita.

A advogada afirma que as atitudes de Luiz Carlos que ela denuncia são relativas à gênero, e considera desrespeitosas. “Nenhuma mulher deveria passar pelo que estou passando. Ele disse que eu era advogada de porta de cadeia. Ele quer que eu saia do caso, e falou que eu era ‘muito ruim’, me chamando de ‘Maria’, várias vezes”. Segundo ela, os dois não se conheciam e nunca haviam tido contato anterior ao caso em que advogam.

“Relutei em tomar uma atitude, mas depois dessas mensagens enviadas por ele, não tive como me calar, pois seria conivente. Não poderá ficar impune tais atitudes desse advogado. Esperto por justiça. Não podemos aceitar esse tipo de atitude contra uma mulher advogada, no exercício profissional da advocacia”, afirma no documento.

Outro lado

Procurado pela reportagem, o advogado Luiz Carlos Lanzoni Júnior se pronunciou através do advogado Ricardo Machado, seu representante. “O que ele foi defender foram os interesses do cliente. Ele não está entendendo, neste momento, uma autuação profissional registrada como uma ocorrência pessoal”, alega.

Ainda conforme o representante, Lanzoni registrou um procedimento na OAB alegando deslealdade da advogada. “O registro foi feito na semana passada, e também ele pediu para o juiz do caso apurar a conduta dela perante o processo”, afirma.

O advogado afirmou que repudia e nega veementemente as falas ditas em relação ao seu cliente. “Ela está se utilizando de uma questão de gênero para colocar a sociedade contra ele. Em momento nenhum houve xingamentos ou ofensas”, diz Machado.

Sobre a suposta ida de Rita de Cássia ao escritório do advogado, o representante finaliza confirmando que foram recebidos o cliente e a advogada e que “ele não foi intimado sobre registro de boletim de ocorrência sobre ameaças, feitos na Deam”.

Jornal Midiamax