Polícia

Dono de sítio é multado em R$ 7 mil por maus tratos a animais

Diego Alves Publicado em 08/04/2021, às 19h33

Divulgação, PMA
Divulgação, PMA
A PMA (Polícia Militar Ambeitnal) de Dourados autuou dono de um sítio em R$ 7 mil por maus tratos a jumentos e também três emas que eram mantidas em cercado e foram encontradas mortas.
Policiais ambientais autuaram nesta quinta-feira (08), um funcionário público de 56 anos, residente em Dourados, por crime de maus tratos e por manter animais silvestres ilegalmente em cativeiro. 
Os policiais foram a um sítio, localizado à margem da BR 379, no município de Vicentina, para averiguar denúncia de crime de maus tratos a jumentos e criação de aves silvestres (emas) em cativeiro, que também estariam sofrendo maus-tratos.
De acordo com a polícia, no local havia quatro jumentos, sendo três fêmeas e um macho. Como a denúncia seria de que os animais estariam feridos sem tratamento uma médica veterinária da Vigilância Sanitária de Vicentina ajudou à PMA, realizando exame clínico nos animais e constatou que um dos jumentos estava com lesão na região do prepúcio e apresentava inflamação, indicando que estava sendo negligenciado tratamento ao animal.
Ainda segundo a PMA, no local, os policiais ainda localizaram as carcaças de duas emas em adiantado estado de decomposição e outra que havia morrido recentemente. A área onde os animais eram mantidos é totalmente cercada por telas, o que impedia que as emas saíssem do local e migrassem para seu hábitat natural, caracterizando a manutenção em cativeiro, o que é crime.
O infrator não se encontrava no sítio e, no contato realizado pela equipe, alegou que vai uma vez por semana no local. Segundo ele, as emas adentraram à área cercada e não conseguiam sair e não sabe explicar a causa da morte dos bichos.
O infrator foi autuado administrativamente por maus tratos e pela manutenção das emas ilegalmente em cativeiro e foi multado em R$ 7 mil. Ele também responderá pelos crimes, cuja pena para maus tratos é de três meses a um ano de detenção e, pelas aves silvestres em cativeiro, é de seis meses a um ano de detenção. O autuado foi notificado a providenciar tratamento médico adequado aos jumentos e apresentar os comprovantes para a vigilância sanitária de Vicentina, que fará visitas ao sítio para verificar o estado de saúde dos bichos.
Jornal Midiamax