Polícia

Dois são presos e multados em R$ 28,5 por caça de cinco animais silvestres

A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Bonito prendeu e autuou em R$ 28,5 mil os dois

Diego Alves Publicado em 31/03/2021, às 19h39 - Atualizado às 19h41

None

A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Bonito prendeu e autuou em R$ 28,5 mil dois catarinenses por caça de cinco animais silvestres e posse ilegal de armas e apreende dois rifles de caça e munições.

Policiais ambientais, que trabalham na operação Semana Santa, receberam denúncias de caça ilegal e realizavam patrulhamento em uma fazenda no município, localizada a 30 km da cidade hoje (31) no final da manhã. No local, os Policiais encontraram os denunciados que prestavam serviço na propriedade rural como empreiteiros há pouco mais de 30 dias. Questionados sobre a denúncia, um homem assumiu ter carne de cateto armazenada, produto de caça.

Em um freezer no local onde o homem, de 55 anos, estava hospedado na fazenda foram encontrados 52 kg de carne que ele informou ser de cateto (Pecari tajacu), divididos em 12 pedaços que os Policiais calculam ser de pelo menos três animais. Ainda carne de um animal da espécie cutia (Dasyprocta punctata), pesando 3 Kg e um tatu-galinha (Dasypus Novemcinctus), que está na lista de espécie em extinção. O empreiteiro assumiu ter caçado os animais e apresentou um rifle calibre 22, com o qual teria abatido os animais e duas munições do mesmo calibre. O infrator foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 28.500,00 pela caça ilegal dos animais.

Em um trailer, onde outro empreiteiro, de 20 anos, estava hospedado foi encontrado outro rifle calibre 22. Ele assumiu ser proprietário da arma, porém, não assumiu ter participado de caça ilegal. As armas e munições não possuíam documentação e foram apreendidas, juntamente com a carne e animais abatidos e o freezer.

Os infratores, residentes em Chapecó (SC), receberam voz de prisão e foram encaminhados, juntamente com o material apreendido, à delegacia de Polícia Civil de Bonito, onde eles foram autuados em flagrante por posse ilegal de munições e armas e um ainda por caça dos animais. A pena para o crime ambiental de caça é de seis meses a um ano e meio de prisão, devido ao tatu-galinha estar em extinção. O crime de posse ilegal de arma, a pena é de um a três anos de detenção.

Jornal Midiamax