Polícia

Coronel Adib deixa legado de honestidade e dedicação à segurança na fronteira

Durante o velório do coronel Adib Massad realizado na tarde desta quinta-feira (04), na Câmara Municipal de Campo Grande, amigos e familiares lembraram do legado de honestidade e dedicação ao trabalho no combate ao crime deixado por ele. O policial aposentado estava internado no Hospital da Unimed e faleceu no início da noite de quarta-feira […]

Renan Nucci Publicado em 04/03/2021, às 14h58 - Atualizado às 17h36

Adib sendo velado com guarda de honra. Foto: Leonardo de França
Adib sendo velado com guarda de honra. Foto: Leonardo de França - Adib sendo velado com guarda de honra. Foto: Leonardo de França
Coronel Adib Massad, durante uma das visitas a Dourados. (Foto: Arquivo/O Progresso)
Coronel Adib Massad, durante uma das visitas a Dourados. (Foto: Arquivo/O Progresso)

Durante o velório do coronel Adib Massad realizado na tarde desta quinta-feira (04), na Câmara Municipal de Campo Grande, amigos e familiares lembraram do legado de honestidade e dedicação ao trabalho no combate ao crime deixado por ele. O policial aposentado estava internado no Hospital da Unimed e faleceu no início da noite de quarta-feira (03), aos 91 anos. Ele deixa cinco filhos e oito netos.

A filha, Lilian Massad Boriero, de 54 anos ,produtora de beleza, lembrou que apesar da postura séria, em função do trabalho na segurança, Adib era um homem sensível que ensinava sobre o amor a Deus e aos próximos. “Ele nos ensinava que nem todos os ciclos a gente fechava acertando, mas que tínhamos a oportunidade de acertar nos próximos ciclos que se iniciavam. Como todo pai, amava a Deus e aos filhos. Tinha a parte aconselhadora, mas também nos cobrava muito”, disse.

Lilian, filha do coronel Adib, durante velório do pai.jpeg
Lilian, filha do coronel Adib, durante velório do pai. Foto: Leonar

O policial aposentado Eliezer Oliveira, de 58 anos, trabalhou por aproximadamente 20 anos com Adib e garante que não haverá outro comandante como ele. “Era um ótimo coronel, não tinham esse negócio de comprá-lo. Chegavam várias pessoas com malas cheias de dinheiro para comprá-lo e resposta era sempre não”, destacou Oliveira, lembrando que tais atitudes confirmavam a integridade de Adib. “Não era corrupto. Era um policial ético e outro coronel como esse não vai existir”. 

O sobrinho Germano Chaves Filho, de 58 anos, via o tio como exemplo. “Deixou muita coisa para a corporação. Foi um coronel exemplar que honrou o nome até o final. Para mim, foi um homem que deixou grandes ensinamentos”, afirmou. O subtenente aposentado Floriano Ramão da Silva, de 62 anos, também prestou serviços com Adib de 1983 a 2000. “Era um profissional rígido, muito correto e honesto. Não vai existir outro Adib. O que ele fez, ninguém jamais irá esquecer”, destacou.

O sepultamento do coronel Adib acontece às 16h30, no Cemitério Memorial Park, no bairro Universitário, em Campo Grande.

Lembranças

Amigos, familiAmigos, familiares e policiais prestaram homenagem ao coronel Adib.jpegares e policiais prestaram homenagem ao coronel Adib.jpeg
Amigos, familiares e policiais prestaram homenagem ao coronel Adib. Foto: Leo

Nascido em Cáceres (MT), Adib fez história na na segurança pública atuando em unidades militares e da Polícia Civil no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Ele iniciou carreira como oficial da Polícia Militar de Mato Grosso em 1953. Três anos depois, ocupou o cargo de delegado na cidade natal, Cáceres. 

Também foi delegado em Poxoréu (MT), Rondonópolis (MT) e Dom Aquino (MT), função que também ocupou em Jardim, Paranaíba e Porto Murtinho, municípios sul-mato-grossenses, no entanto, ganhou maior reconhecimento atuando em Dourados.

Em Mato Grosso, ainda ocupou o cargo de titular da Delegacia de Roubos e Furtos. Adib foi o criador e comandou por seis anos o antigo GOF (Grupo de Operações de Fronteira), em Dourados, que após a divisão do estado passou a ser o que é hoje o DOF (Departamento de Operações de Fronteira).

Jornal Midiamax