Com ferramentas artesanais, detentos da Máxima escaparam por janela de cela

Grade foi serrada e foragidos levaram equipamentos; sete detentos não fugiram

A cela 31 do pavilhão 1, galeria A, era ocupada por 13detentos até a manhã desta terça-feira (26). Durante a madrugada, por volta das 3h15, os quatro deles que conseguiram fugir, utilizaram ferramentas artesanais, fabricadas por eles mesmos com restos de materiais, além de cordas conhecidas como “teresas”, geralmente feitas de pano como lençóis e toalhas, para pular o muro de seis metros do Presídio de Segurança de Campo Grande.

Sete deles não fugiram da cela, mesmo após o buraco deixado pelos colegas. Contudo, a apura se eles – além de outros integrantes da penitenciária, inclusive funcionários – tiveram participação na fuga. Conforme o delegado Ricardo Meirelles, da 3ª Delegacia de Polícia da Capital, a fuga já foi registrada e eles também responderão por dano do patrimônio público.

Após serrarem a janela da cela, eles passaram uma tela de alambrado, até chegarem ao muro da penitenciária, que além de ter seis metros de altura, é coberto por concertina. “Estamos apurando as imagens das câmeras de segurança – já apreendidas –, ouvindo outros detentos e os agentes penitenciários para que eles [os foragidos] sejam localizados o mais rápido possível e responsabilizados”, afirma o delegado.

Os quatro detentos são considerados foragidos e foram identificados como Jhonatan Gomes da Silva conhecido como ‘Barata’, Márcio André Cerdeira conhecido como ‘Deco’, Djordan Willian Ribas da Cruz conhecido como ‘Billy’ e Paulo Ricardo Silva da Rosa conhecido como ‘Bombadinho’.

Com ferramentas artesanais, detentos da Máxima escaparam por janela de cela
Mais notícias