Autor de assassinato no Paulo Coelho Machado diz já ter visto vítima ‘quebrar maxilar’ de ex

Ele tem passagens por violência doméstica e importunação sexual em 2019; Juiz converteu prisão em preventiva

Acusado de matar José Augusto Marques da Cruz, de 44 anos, nesta quinta-feira (14) no bairro Paulo Coelho Machado, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva após audiência de custódia nesta sexta-feira (15). Ele tem passagens por importunação sexual, violência doméstica e medida protetiva contra seu nome. Cleyton afirmou já ter visto a vítima “quebrando o maxilar” da ex-convivente, proprietária da casa onde o crime ocorreu.

Cleyton afirmou ter visto José agredindo a ex. Ele foi preso em flagrante pelo (Grupo de Operações e Investigações) poucas horas após o crime, na rua de trás da casa onde o assassinato ocorreu. Conforme relatou aos policiais e ao delegado no momento da prisão, o motivo seria uma discussão entre os dois após Cleyton “tentar dar um susto” em José, que tentava agredir a ex-mulher.

Por sua vez, José Augusto respondia por uma tentativa de homicídio em dezembro de 2012 na cidade de Rochedo, distante 82 km da Capital. Ele é acusado de agredir, com golpes de facão, um homem dizendo que iria mata-lo. Eles teriam discutido após José avistá-lo sentado em frente à sua casa, pedido para ele sair e o homem negado.

Os golpes atingiram as costas, braços e barriga da vítima, que conseguiu correr. José ainda teria tentado correr atrás da vítima, mas acabou detido pela . Em 2019, ele foi absolvido após o juiz entender que agiu em legítima defesa. José alegou que a vítima o agrediu e, para tentar se defender, pegou o facão.

O crime

Conforme a ex-mulher, 54 anos, ela dormia quando ouviu um barulho e foi até o portão checar, momento em que viu o rapaz com o ferimento. Ela disse que ele estava sem camisa e pediu para guardar a  em sua varanda. Em choque, ela teria tentando ajudar e pediu para uma vizinha acionar o socorro.

 e o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegaram a ser acionados, porém, ao chegar no local a vítima já estava sem vida. A ex-companheira disse que eles estavam separados a um ano.

Os vizinhos dizem que na tarde de hoje não chegaram a ouvir gritos ou brigas, porém, ela mora a pouco tempo na região, sozinha. Constantemente percebiam a movimentação de pessoas desconhecidas na casa. Um dos vizinhos conta que a vítima insistia para que a moradora parasse com o nas drogas. O casal era conhecido por brigas e discussão, sendo que em uma vez, notaram hematomas nela, mencionando que o rapaz teria a agredido.

Após matar, foi até bar na esquina

O acusado foi preso momentos depois do assassinato por equipes do  (Grupo de Operações e Investigações), na mesma região. Logo após matar com duas facadas no pescoço José Augusto, o assassino teria colocado a faca que usou no crime de volta na cintura e ido até um bar, que fica a umas três casas de onde aconteceu o homicídio, para beber cerveja.

Em depoimento, Cleyton afirmou que não enxergou onde teria desferido as facadas já que possui um problema de visão, e que na tarde de quinta (14), José teria chegada a casa da ex-mulher alterado chutando o portão. Na residência estavam a moradora, Cleyton e uma amiga dele ingerindo bebidas alcóolicas.

Ele ainda disse que foi tirar satisfação com a vítima dizendo que José não iria mais agredir a mulher, sendo que neste momento a moradora que estava dormindo acordou e foi ver o que estava acontecendo. Cleyton retirou a faca da cintura e desferiu as facadas e segundo ele, José mesmo ferido teria tentado agredi-lo com um pedaço de madeira. Depois do crime, Cleyton saiu da casa e foi até um bar para beber cerveja.

Autor de assassinato no Paulo Coelho Machado diz já ter visto vítima ‘quebrar maxilar’ de ex
Mais notícias