Polícia

Adolescente morto em freezer teve mal súbito por anabolizante ou choque, segundo polícia

A Polícia Civil através da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) descartou crime e suicídio para a morte José Eduardo Alves Gonçalves Rosa, de 15 anos, encontrado morto dentro do freezer na casa da avó, na Vila Adelina, em Campo Grande, no dia 11 de janeiro. O garoto morreu por asfixia. […]

Thatiana Melo Publicado em 09/03/2021, às 10h40 - Atualizado às 16h16

Corpo do adolescente foi encontrado em janeiro deste ano, pelo irmão (Henrique Arakaki, Midiamax)
Corpo do adolescente foi encontrado em janeiro deste ano, pelo irmão (Henrique Arakaki, Midiamax) - Corpo do adolescente foi encontrado em janeiro deste ano, pelo irmão (Henrique Arakaki, Midiamax)

A Polícia Civil através da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) descartou crime e suicídio para a morte José Eduardo Alves Gonçalves Rosa, de 15 anos, encontrado morto dentro do freezer na casa da avó, na Vila Adelina, em Campo Grande, no dia 11 de janeiro. O garoto morreu por asfixia.

De acordo com a delegada Elaine Benicasa, José havia começado a tomar anabolizantes sem o conhecimento da família, já que iria começar a academia por causa da obesidade, na semana anterior em que morreu. A família do garoto teria histórico de hipertensão e obesidade. Ainda de acordo com a delegada o garoto teria colocado água dentro do freezer, que tem capacidade para 20 litros e entrado dentro fazendo dele uma piscina.

Ainda não se sabe se o adolescente teria tomado um choque já que estava sentado dentro do freezer e mexendo no notebook que estava em uma mesa próxima junto de seu celular ou se pelo fato de estar tomando anabolizantes teria sofrido um mal súbito desfalecendo e ficando desacordado. A tampa do freezer fechou e o garoto morreu asfixiado. Ainda são esperados laudos para saber a quantidade de anabolizantes, já que os outros exames ficaram prejudicados devido ao tempo em que José ficou dentro do freezer.

Quando o corpo foi encontrado já estava em putrefação. A delegada ainda disse ter descartado qualquer desafio que o garoto possa ter participado, já que uma varredura no celular e no notebook foram feitas à procura de qualquer indício de que possa ter acontecido algum desafio que o adolescente tenha participado.

Benicasa ainda reforçou sobre o menino ser alegre e nada indicar que ele estava tentando se matar. A família na época também disse que não havia motivos para que José tirasse a própria vida. O inquérito ainda não foi concluído a espera de anexos de outros exames. Foi feito pedido de prazo maior pela delegada.

Anteriormente foi levantada a hipótese de que uma segunda pessoa estivesse na residência, no dia anterior a que ele foi encontrado morto dentro do freezer, mas a polícia descartou crime de homicídio para a morte do garoto.

Troca de mensagens com a mãe

Antes de ser encontrado morto, José trocou mensagens com mãe onde dizia que ela era a rainha dele. Em conversas no WhatsApp, a mãe havia perguntado para José se estava tudo bem na casa da avó e em seguida disse que amava o filho. O adolescente respondeu ao questionamento da dona de casa afirmando que estava tudo bem, e em seguida responde a mãe por áudio, “Te amo, você é minha rainha”.

Depois dessa conversa no sábado, dia 8 de janeiro, a mãe de José não conseguiu mais falar com o garoto, segundo a advogada da família Marcelle Peres Lopes. A advogada disse que a família acredita que José tenha sido obrigado a entrar mediante ameaça no freezer, já que ele era um menino alto – 1,80 aproximadamente e 100 quilos- não sendo fácil carregá-lo.

Corpo no freezer

O corpo foi encontrado pelo primo que estava à procura de José que havia desaparecido na tarde do dia 10 de janeiro. O adolescente estava só de cuecas e não havia sinais aparentes de violência. Uma faca foi encontrada no quintal da residência. O freezer onde foi encontrado a vítima estava desligado.

Jornal Midiamax