Polícia

Preso morre após passar mal na Máxima e gera reclamação de falta de atendimento

Um interno do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, de 48 anos, passou mal nesta sexta-feira (8) e morreu após ser socorrido. A morte teve reclamação de que o preso não teve o atendimento necessário por causa de ausência médica. No entanto, a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) negou falta de […]

Mariane Chianezi Publicado em 08/05/2020, às 16h10 - Atualizado em 09/05/2020, às 07h25

 (Arquivo)
(Arquivo) - (Arquivo)

Um interno do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, de 48 anos, passou mal nesta sexta-feira (8) e morreu após ser socorrido. A morte teve reclamação de que o preso não teve o atendimento necessário por causa de ausência médica. No entanto, a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) negou falta de atendimento.

Conforme o boletim de ocorrência, na quarta-feira (6) o interno teve complicações na saúde e foi levado para uma unidade de atendimento. Ao apresentar melhoras, ele retornou para o presídio e teria passado mal dentro da cela.

Ainda segundo a ocorrência, os agentes acionaram o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) por volta das 6h15, mas nada pode ser feito. O interno já estava morto. O registro foi feito como morte natural, pois o homem tinha saúde debilitada devido ser portador de HIV e Hepatite B e C.

A Agepen esclareceu, por meio de assessoria de imprensa, que o interno recebia acompanhamento médico frequentemente e que após o óbito ser constado, a perícia foi acionada e nenhuma lesão no corpo da vítima foi encontrada.

Jornal Midiamax