Polícia investiga possível relação entre execução no Tiradentes e homicídio de 2010

Morto a tiros por dupla em moto tinha várias passagens

A Polícia Civil investiga a possível ligação entre um homicídio e uma tentativa de homicídio com a execução de Lúcio da Silva Oliveira, de 37 anos. O crime aconteceu no último sábado (18), na Rua do Pistão, Bairro Tiradentes.

O caso foi inicialmente investigado pela 4ª Delegacia de Polícia Civil e, segundo a delegada titular Célia Maria Bezerra, os crimes praticados por Lúcio em 2010 e 2012 podem ter relação com a execução. Ele tinha passagens pela polícia desde 2006 por crimes como furto e em 2010 cometeu um homicídio.

A delegada detalhou que o crime ocorreu em 31 de dezembro daquele ano, nas proximidades do Mercadão de Campo Grande, na Rua 7 de Setembro. A vítima era Cristiano Melo Santos, de 22 anos, e Lúcio tinha 28 anos. A motivação do homicídio não foi esclarecida, mas Lúcio matou a vítima com várias facadas, fugiu correndo do local e foi preso perto da Avenida das Bandeiras.

Pelas características passadas pelas testemunhas, Lúcio foi identificado e preso em flagrante. Já em 2012, detido no Presídio de Segurança Máxima, ele tentou matar um detento também a facadas. Com ajuda de outros presos, ele agrediu o homem, que sofreu perfurações perto do coração e da cabeça, mas resistiu aos ferimentos.

Foram apreendidas armas artesanais com os suspeitos no presídio e ele respondia pela tentativa de homicídio. Segundo a delegada Célia, o caso agora segue para a DEH (Delegacia Especializada de s) e pode ser esclarecido nos próximos dias, mas ainda é investigada uma relação da execução com os crimes cometidos por Lúcio.

Morte com 11 tiros

As primeiras informações da polícia dão conta que Lúcio andava pela Rua do Pistão quando os dois suspeitos chegaram na Honda Titan vermelha e efetuaram os disparos. Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas a vítima não resistiu. Policiais da 6ª CIPM (Companhia Independente da Polícia Militar) também estiveram no local.

A vítima não portava documentos no momento do crime e só foi identificada posteriormente. Segundo a polícia, ele foi atingido por pelo menos 11 disparos, um tiro na axila, 4 na cabeça, 2 no braço esquerdo, um no pescoço, um perto da escápula, um na costela e um no peito. Foram apreendidos 11 estojos de munição calibre 9mm e uma chave de fenda que a vítima levava no bolso.

Outras duas execuções ocorreram de forma semelhante em 2019, com a mesma quantidade de tiros disparados. Em 28 de setembro, Fernando Garcia de Arruda, de 25 anos, o ‘Shrek’ foi morto com os 11 disparos nas proximidades do local onde Lúcio foi morto. Ele estava na Rua da Flauta, parado na calçada, quando dois homens chegaram em uma moto um atirou.

Já em 3 de outubro, Anderson Viana foi morto com 11 disparos quando chegava em uma residência, para fazer a entrega de uma geladeira. Os dois casos ainda seguem sem esclarecimento e não há informação se teriam relação.

Polícia investiga possível relação entre execução no Tiradentes e homicídio de 2010
Mais notícias