Polícia investiga imagens de câmeras e celular de jornalista assassinado na fronteira com MS

Pistoleiros invadiram a casa e executaram Leo Veras com um tiro na nuca quando jantava com a família

A polícia apreendeu na casa do jornalista assassinado Leo Veras, o celular e o computador para perícia na tentativa de descobrir de onde vinham as ameaças que ele estava sofrendo. O crime aconteceu na noite desta quarta-feira (12), em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande. Leo foi assassinado a tiros enquanto jantava com a família.

A apreensão de todo o material na casa do jornalista aconteceu ainda na noite de quarta (12) logo após o assassinato. O promotor Marco Amarila disse ao ABC Color que com estes materiais apreendidos espera descobrir as razões das ameaças que o jornalista vinha sofrendo. Ainda segundo informações existem nos arredores da residência de Leo câmeras de segurança, mas não se sabe se gravaram o crime.

O promotor ainda contou que a esposa do jornalista disse que ele estava muito apreensivo e tenso nos últimos dias, ele praticamente se despediu da família, disse Amarila. A esposa do jornalista não confirmou a polícia se ele vinha sendo ameaçado. Leo estava em casa jantando com a família quando os pistoleiros invadiram a casa e atiraram contra o jornalista, que tentou correr. Algumas características dos assassinos já foram repassadas para a polícia, que agora tenta encontrá-los.

Leo foi atingido por 12 tiros, sendo que um foi na cabeça pelas costas quando ele já estava caído no chão, o que demonstra que o jornalista tentou fugir dos pistoleiros. Todos os tiros foram disparados pelas costas de Leo, que chegou a ser socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu e morreu.

Os três pistoleiros encapuzados estavam em um Jeep Grand Cherokee. Nos últimos dias, Léo Veras concedeu entrevista à emissora Record no programa Domingo Espetacular, em uma matéria especial sobre respeito do tráfico de drogas e violência na fronteira.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa), inclusive já fez denúncia sobre as ameaças sofridas pelo jornalista. Em 2013, a Associação relatou o trabalho de Léo e da imprensa nesta região da fronteira, marcada principalmente pelas execuções motivadas pelo narcotráfico.

“Vou continuar fazendo o meu trabalho como eu faço todos os dias. Não existe ameaça que me impossibilite. Não vou me trancar em casa por causa disso”, disse na ocasião

Polícia investiga imagens de câmeras e celular de jornalista assassinado na fronteira com MS
Mais notícias