Polícia busca autor de atentado contra mulheres após denunciarem empresário na Deam

Mulheres seguiam em carro pela rodovia, quando veículo foi alvejado por vários tiros

A polícia já realiza buscas a um homem acusado de alvejar a tiros um carro ocupado por duas mulheres de 41 e 44 anos na tarde do último sábado (16). O crime aconteceu quando as vítimas seguiam pela na MS-080, zona rural de Campo Grande, a aproximadamente quatro quilômetros do Córrego Ceroula. Elas não foram atingidas pelos tiros. O caso será investigado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

Uma das vítimas disse na delegacia que já prestou boletins de ocorrências contra um empresário de Campo Grande, para quem teria trabalhado como secretária e com quem teria vivido um relacionamento. A delegada Maira Pacheco Machado confirmou que, por enquanto, o único suspeito é o autor dos disparos.

A delegacia especializada deve receber o caso ainda esta semana, mas já começou as diligências pelo homem que conduzia a moto, descrito pelas vítimas como magro, usava jaqueta preta, calça jeans e capacete escuro. O homem conduzia uma moto Honda Titan vermelha.

Conforme o boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário Centro) as mulheres relataram que transitavam em um veículo SUV destino a uma chácara em Rochedo, quando a aproximadamente quatro quilômetros do Córrego Ceroula, em uma estrada vicinal, na entrada de uma pousada, sofreram o atentado.

O autor aparentemente seguia no sentido contrário das vítimas e deu uma pequena parada. Depois, sacou uma arma com a moto em movimento e, ao cruzar pelo veículo, começou a efetuar disparos contra as duas.

Consta no boletim de ocorrência, que o fato aconteceu, justamente no momento em que condutora, de 41 anos, diminuiu um pouco a velocidade para ajustar o som automotivo. As vítimas acreditam que não foram atingidas, pois, assim que percebeu os movimentos do pistoleiro, a motorista acelerou o veículo ao máximo. Em seguida, elas pararam em um bar na região e entraram em contato com a Polícia Militar que as escoltaram até a Depac Centro.

Uma das vítimas contou que está tendo problemas com um empresário, contra quem já registrou dois boletins de ocorrência na Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) por ameaça e injúria. Ela também relatou que fez representação junto à Corregedoria da Polícia Civil, contra um suposto policial civil, que estaria seguindo ela e colhendo informações sobre tudo o que fazia.

Polícia busca autor de atentado contra mulheres após denunciarem empresário na Deam
Mais notícias