PM filmado agredindo mulher em batalhão ainda não foi ouvido na Corregedoria

Familiar do policial já atuou na Corregedoria da PMMS

Ainda não foi interrogado pela ( de ) o 2º tenente filmado espancando uma mulher em setembro deste ano. O caso aconteceu em setembro, enquanto a vítima estava em viagem a Bonito, cidade a 300 quilômetros de Campo Grande, mas só foi revelado no último sábado (21) após divulgação dos vídeos.

Conforme a assessoria da PMMS, o prazo para conclusão do inquérito é de 40 dias, podendo ainda ser prorrogado. O interrogatório do policial é um dos últimos procedimentos do inquérito, portanto ainda não ocorreu. Já a vítima esteve na Corregedoria na segunda-feira (23) e foi ouvida.

Familiar na PMMS

Na porta da Corregedoria, a vítima chegou a dizer que o policial é temido, uma vez que tem parentes de alta patente na PMMS. O Midiamax apurou que um dos familiares do militar já atuou na Corregedoria, inclusive como escrivão no julgamento da tenente-coronel Itamara Romeiro, que aconteceu em 2019.

No entanto, ele esteve à frente da DGP (Diretoria de Gestão Pessoal) e na última semana foi realocado para a Deip (Diretoria de Ensino, Instrução e Pesquisa) da PMMS. Ele ocupava o cargo até junho deste ano, quando foi substituído e agora novamente retornou à diretoria.

Sobre tal fato, a assessoria da PMMS esclareceu que o cargo do militar não está acima da Corregedoria ou do oficial encarregado do inquérito.

Casos de agressões

O militar foi transferido do Batalhão de Bodoquena para Campo Grande, por inconveniência. A transferência foi publicada no desta terça-feira (24). Também foi publicado o afastamento, que conforme comunicado pela assessoria já havia ocorrido.

Ele já respondia um processo por agressão na Corregedoria por fato parecido em outra ocorrência. O militar também foi investigado pela 1ª Companhia Independente, unidade em que era lotado, por suposto excesso após abordagem que teve disparos de arma de fogo e tiro de bala de borracha.

No entanto, o inquérito concluiu que não houve transgressões por parte dele ou dos demais servidores envolvidos na ocorrência. O fato ocorreu em novembro de 2018.

Em novembro deste ano durante uma carreata de uma candidata à prefeitura da cidade de Bodoquena, ele teria pisado na cabeça de um rapaz que estava na rua. Imagens da agressão circularam na internet.

O último fato ocorreu em setembro deste ano, quando ele foi flagrado pelas câmeras de segurança do batalhão agredindo uma mulher, que estava presa e algemada. O caso ocorreu após confusão em um restaurante de Bonito.

PM filmado agredindo mulher em batalhão ainda não foi ouvido na Corregedoria
Mais notícias