Perícia volta ao local onde dono de boate foi carbonizado para fazer exame de perímetro

Delegado responsável tem 10 dias para relatar inquérito

Equipes da perícia e o delegado responsável pelo assassinato de Ronaldo Nepomuceno Neves, morto e carbonizado na cachoeira do Céuzinho, no último sábado (12), retornam ao local do crime na tarde desta quarta-feira (16). Eles farão exame de perímetro, para determinar a distância exata entre a boate de Ronaldo e o local onde ele foi encontrado morto.

Ainda conforme o delegado, o objetivo do retorno ao local é também “fornecer detalhes mais específicos para que o júri entenda o ocorrido”. O prazo para entrega do inquérito é de dez dias. No começo desta semana os quatros suspeitos foram presos por policiais do GOI (Grupo de Operações e Investigações). As investigações da 2ª Delegacia de Polícia Civil apontaram que a vítima foi torturada antes de ser assassinada por um grupo, cujo “chefe” era conhecido como ‘Diabo Loiro’.

Entenda o caso

Segundo o delegado Camilo Kettenhuber Cavalheiro, Ronaldo procurava os autores do furto na boate da qual é proprietário, localizada na Avenida Ernesto Geisel. Na sexta-feira (11), um dia antes do crime, um dos autores, Kelvin Dinderson dos Santos, conhecido como ‘Diabo Loiro’ foi até o estabelecimento explicar que não era ele quem realizava os furtos.

Ronaldo, junto a três homens, teria sequestrado Kelvin e o torturado. Achando que o homem já estava morto, Ronaldo teria ido até um local de compra e venda de drogas ‘tirar onda’ com o restante do grupo de Kelvin.

Ainda conforme o delegado, quando foi ‘tirar onda’, Ronaldo teria dito ao restante que era para todos irem até a boate e revelarem quem praticava os furtos. Marcelo, agora também preso, teria saído do local e resgatado Kelvin. Antes de ser enforcado com um cinto, Ronaldo ainda bebeu junto dos quatro e só depois começou a sessão de tortura, que terminou em assassinato. A vítima foi espancada com golpes de pedras e pauladas na cabeça antes de ser assassinada com golpes de garrafas quebradas no pescoço.

Perícia volta ao local onde dono de boate foi carbonizado para fazer exame de perímetro
Mais notícias