Negada liberdade a homem que ficou 15 anos foragido após matar a ex

Crime ocorreu em dezembro de 2004, em Campo Grande

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do de Campo Grande, negou liberdade a Cleberson Proença de Almeida, que ficou foragido por 15 anos após matar ex-namorada Suelen Cristaldo, depois vê-la com outro homem. 

O crime ocorreu em dezembro de 2004, mas o réu foi preso somente em 2019, em uma ação conjunta entre a DEH (Delegacia Especializada de Homicídios), da de , com apoio da polícia do Paraná, onde foi localizado.

A defesa recorreu da prisão alegando que estão ausentes os requisitos da custódia, que o acusado tem residência fixa, é réu primário, não cometeu outros crimes e não há previsão para ser julgado, por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19). 

No entanto, o magistrado entendeu que há materialidade o suficiente e que apenas os requisitos não são o bastante para garantir que ele fique solto, nem mesmo com o uso de medidas cautelares como monitoração por meio da de tornozeleira eletrônica.

“Anoto que o fato ocorreu em 28-12-2004 e o acusado somente foi preso preventivamente no dia 6-5-2019,portanto, quase 15 anos depois, o que demonstra a postura furtiva visando furtar-se à aplicação da lei penal,mormente se a prescrição se avizinha”, disse o juiz.

Negada liberdade a homem que ficou 15 anos foragido após matar a ex
Mais notícias