Mulher é flagrada por atear fogo em resíduos com riscos de incêndio no Pantanal

A PMA ( Ambiental) de Corumbá autuou uma mulher de 48 anos em R$ 5 mil por atear fogo em resíduos com riscos se tornar grande incêndio no .

De acordo com a PMA, um dos objetivos da operação é a prevenção e a repressão aos pequenos incêndios provocados pelas pessoas em atividades rotineiras, no intuito de se evitar que se torne um grande incêndio florestal, o que é comum neste período seco. A tomar conhecimento disso, a população começou a denunciar pessoas que insistentemente têm continuado a usar o fogo. Ontem (28), depois de receber denúncias, Policiais Militares Ambientais de Corumbá efetuaram mais uma autuação.

As denúncias eram de que no Distrito de Porto Esperança, uma mulher provocava incêndio continuamente em resíduos sólidos em sua propriedade, com riscos de perda do controle e se espalhar pelo , tendo em vista a proximidade da vegetação nativa no local, onde era realizada queima do material. Uma equipe da PMA foi ao local e verificou diversos amontados de resíduos, como folhas e lixo doméstico queimados, confirmando a denúncia, embora naquele momento não houvesse o incêndio.

A infratora (48), residente no Distrito de Porto Esperança em Corumbá, foi autuada administrativamente e foi multada em R$ 5 mil. Ela também foi orientada a dar a destinação adequada a todos resíduos gerados em sua propriedade.

É um risco muito grande em um período seco deste uma pessoa usar o fogo dessa forma. Há a possibilidade de se perder o controle e milhares de hectares sejam queimados, além dos custos financeiros aos contribuintes para a apagar, além dos custos ambientais.

Mulher é flagrada por atear fogo em resíduos com riscos de incêndio no Pantanal
Mais notícias