MPMS volta atrás e pede prisão de sucessor de Minotauro que mentiu nome e até idade

Ele teria feito certidão falsa em cartório de tabeliã investigada pela Polícia Federal

Após solicitar a liberdade provisória de Edson Barbosa Salinas, que na verdade é Ederson Salinas Benítez, paraguaio de 29 anos, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) voltou atrás. Após o pagamento da fiança de R$ 80 mil, foi descoberto que ele usava documentos falsos e a liberdade foi revogada.

Salinas é apontado tanto pela polícia brasileira quanto pela paraguaia como sucessor de Minotauro, narcotraficante que seria líder do (Primeiro Comando da Capital) na região de fronteira com o Paraguai. Atualmente preso, Sérgio de Arruda Quintiliano Neto teria deixado Salinas como seu sucessor.

Após acreditar que o atual líder da facção poderia ser posto em liberdade, a promotora que atua no caso chegou a citar na manifestação do MPMS que “fomos enganados”, citando que Salinas enganou ela, a Polícia Civil e até ao juiz. Foi apurado que Edson, a princípio brasileiro de 32 anos, na verdade é Ederson, paraguaio de 29 anos.

O réu, segundo o MPMS, teria feito o registro de nascimento em 2014, por tabeliã de Aral Moreira já investigada em vários inquéritos da Polícia Civil e até Polícia Federal. A promotora destaca que, diante desses novos fatos, faz-se crer que Ederson é pessoa de alta periculosidade e reitera pedido de decretação da prisão preventiva.

Liberdade provisória

MPMS volta atrás e pede prisão de sucessor de Minotauro que mentiu nome e até idade
Polícia Federal descobriu outra identidade para o sucessor de Minotauro (Arquivo)

Após ser preso em briga de trânsito portando ilegalmente uma arma de fogo, Ederson teve liberdade garantida mediante pagamento de fiança no valor de R$ 80 mil. O juiz esclareceu que o alto valor foi firmado já que Salinas disse em depoimento que tem três empregos e “aparenta ostentar riqueza”, já que tinha aproximadamente R$ 17 mil em espécie no momento da prisão em flagrante.

Salinas pagou imediatamente a fiança, em 10 cheques de R$ 8 mil, mas não conseguiu deixar o PED (Presídio Estadual de Dourados) após a descoberta da falsa identidade.

Líder do

As investigações apontam que Salinas é responsável pelas execuções de Chico Gimenez, tio de Jarvis Pavão, e da advogada Laura Marcela Casuso. Ainda há informação de que ele era proprietário da casa onde foram presos 15 membros do primeiro escalão do , comandados por Minotauro, em fevereiro de 2019.

Prisão

A prisão aconteceu no último domingo (19) após uma briga no trânsito. Um rapaz de 23 anos, que também portava uma pistola no carro, estava em um Gol com a família, quando deu sinal de luz alta para Rodrigo, que conduzia uma SW4. Rodrigo então teria freado, momento em que o condutor do Gol deu seta e ultrapassou pela direita.

Ederson estava no banco do passageiro da SW4 e então teria apontado a pistola para o motorista do Gol. Os envolvidos desceram dos carros, quando teriam começado as ameaças por parte de Salinas para o outro motorista. “Você não me conhece, eu vou te matar, você não sabe com quem está mexendo”, teria dito.

Viaturas da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos) e Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestro) abordaram e acabaram prendendo os três envolvidos em flagrante. Além das armas de fogo, foram apreendidos R$ 20 mil em espécie, dólares e guaranis que estavam na SW4.

MPMS volta atrás e pede prisão de sucessor de Minotauro que mentiu nome e até idade
Mais notícias