Morta a tiros no Colibri pode ter sido 9ª vítima de feminicídio em Campo Grande neste ano

Caso está em investigação pela Deam

A execução de Yasmin Beatriz Almeida Guedes, 18 anos, na madrugada desta terça-feira (29), é investigada como suspeita de feminicídio. A jovem foi assassinada na Rua João Trivelato, no Colibri, quando passava de carona em uma motocicleta.

O caso foi encaminhado para a (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e é investigado sob suspeita de feminicídio. Se confirmado, este é o 9º feminicídio registrado em Campo Grande só neste ano, segundo informou a delegada titular da especializada, Fernanda Félix. Até o momento não foram ouvidas testemunhas do caso.

Ainda conforme apurado pelo Midiamax, Yasmin havia sido intimada com o ex-namorado para prestar depoimento como testemunha nesta terça-feira. Ela e o rapaz tinham uma passagem por receptação, quando foram flagrados em um carro roubado a caminho do Paraguai. Na época, ela era adolescente.

Neste processo, a condenação da jovem foi arquivada, sendo que apenas o ex-namorado respondia ainda ao processo. No entanto, por outro crime ela tinha um mandado de busca e apreensão em aberto. Este crime também foi cometido quando ela era adolescente e, na época, deveria cumprir prestação de serviço comunitário por quatro meses.

Porém, como não foi localizada, o decidiu por alterar a pena para internação, que também ainda não havia sido cumprida.

Homicídio no Colibri

Yasmin passava pela Rua João Trivelato na garupa de uma motocicleta, quando foi atingida pelos disparos. Ela caiu no chão e testemunhas acionaram o , mas a jovem não resistiu e morreu antes de ser socorrida.

Também segundo testemunhas, a motocicleta em que Yasmin estava era pilotada por outra pessoa, que fugiu após o crime

Morta a tiros no Colibri pode ter sido 9ª vítima de feminicídio em Campo Grande neste ano
Mais notícias