Mesmo depois de morta, advogada de MS é vítima de racismo e polícia investiga

Ministério Público tomou conhecimento de manifestações transfóbicas e levou o caso até a polícia

Mesmo após sua morte, a jovem e advogada Alanys Matheusa, foi vítima de ataques fóbicos nas redes sociais. O foi denunciado para a polícia, que já registrou boletim de ocorrência e iniciou as investigações. O caso será enquadrado como de . “Como existiu demora em aprovar uma lei que criminalize a fobia, o Supremo decidiu enquadrar ao de ”, explicou o delegado Bruno Urban, da 7ª delegacia de Polícia Civil da Capital.

Alanys morreu no dia 14 de abril em Campo Grande após sofrer uma parada cardiorrespiratória. A morte da primeira mulher negra a se tornar advogada em Mato Grosso do Sul, também tomou repercussão nas redes sociais. Diversas manifestações fóbicas chegaram ao conhecimento do Ministério Público, que denunciou o caso para a Polícia Civil.

O delegado Bruno Urban está a frente das investigações. Ele explicou que duas pessoas são investigadas. “São dois perfis que fizeram manifestações preconceituosas contra ela. Essas pessoas serão devidamente identificadas, intimadas e indiciadas”, disse Urban.

Em junho de 2019, maioria dos ministros do Supremo votaram pelo enquadramento da homofobia e da fobia como tipo penal definido na Lei do Racismo (Lei 7.716/1989) até que o Congresso Nacional edite lei sobre a matéria. A pena para o de é de reclusão de um a três anos e multa.

Trans, advogada e negra

A jovem ganhou notoriedade nacional no último ano após ser destaque na revista Intercept Brasil como a primeira mulher negra a se tornar advogada em Mato Grosso do Sul.

Alanys conquistou uma bolsa de 100% do Prouni em uma universidade de Campo Grande e passou na prova da OAB ainda enquanto estudava. A formatura da jovem aconteceu no fim do ano passado. A jovem já estava além de outras mulheres e travestis, que já tem como desafio a conclusão do Ensino Fundamental e Médio.

Mesmo depois de morta, advogada de MS é vítima de racismo e polícia investiga
Mais notícias