Membro do PCC é condenado a 20 anos de prisão por esquartejar rival e jogar corpo em córrego

Crime ocorreu em 2018 e vítima passou por "tribunal do crime"

Foi condenado nesta terça-feira (10) a 20 anos de prisão o membro da facção criminosa (Primeiro Comando da Capital) Jean Albert da Silva Jara Lemes, pela morte de Alex Mohd Jabe em “”, realizado em 2018. Jean e outros integrantes do assassinaram a vítima, esquartejaram o corpo, colocaram em sacos de lixo e jogaram em um córrego. O júri havia sido adiado em outubro por falha na conexão do Presídio da .

Ele foi condenado a 19 anos de prisão por homicídio qualificado com recurso que dificultou a defesa da vítima e um ano por ocultação de cadáver, e absolvido pelos crimes de organização criminosa e cárcere privado. A pena, determinada pela 1ª Vara do Tribunal do de Campo Grande, deve continuar em regime fechado, uma vez que ele já cumpre pena.

O crime aconteceu em dezembro de 2018 na Favela B13, na Capital. O motivo da execução foi que a vítima realizava tráfico de drogas para facção rival, o . O autor, junto a outros membros do , recebeu ordens de uma liderança da organização criminosa para que levassem Alex para uma segunda casa, abandonada, onde passou por “”.

Jean Albert foi acusado de fazer o deslocamento da vítima e mantê-lo em cárcere privado até a chegada de outros integrantes da facção, e depois, matá-lo. A “missão” de matar e esquartejar Alex Mohd Jabe serviria como prova de lealdade à facção, chamada de “batismo”.

Após a morte de Alex, Jean e outro membro colocaram as partes do corpo da vítima em sacos de lixo e atearam fogo nas roupas. Em seguida, transportaram em um carro e jogaram os restos mortais da vítima em uma tubulação de água de um córrego da Capital.

Membro do PCC é condenado a 20 anos de prisão por esquartejar rival e jogar corpo em córrego
Mais notícias