Justiça mantém condenação a homem que atropelou e matou idosa

Defesa pediu absolvição afirmando que acidente teria ocorrido por culpa exclusiva da vítima

A Justiça em negou recurso e manteve a sentença de um homem condenado a dois anos e oito meses em regime aberto, além da proibição de obter habilitação para dirigir. Ele foi condenado pelo crime de homicídio culposo na direção de veículo automotor, após atropelar e matar uma idosa em Taquarussu, a 325 quilômetros de Campo Grande.

A defesa pediu absolvição, uma vez que o acidente teria ocorrido por culpa exclusiva da vítima, e alternativamente por insuficiência de provas. Também alegou que, mesmo o réu não sendo habilitado, conduzia a motocicleta em velocidade compatível com a via e tentou desviar da vítima, que atravessava a rua fora da faixa de pedestre. Ao avistá-la, a defesa afirma que o motociclista tentou se esquivar, indo para o mesmo lado que a idosa desviou, ocorrendo a .

O recurso foi negado por unanimidade pelos os desembargadores da 2ª Câmara Criminal

Acidente

Consta no processo que no dia 22 de abril de 2016, em Taquarussu, o réu conduzia uma motocicleta por uma avenida da cidade. Em certo momento, a vítima, uma senhora de 61 anos, atravessou a avenida e, ao perceber que poderia ser atropelada, desviou para o mesmo sentido que o motociclista, causando a .

No momento do acidente, a vítima caiu ao chão e bateu a cabeça. O réu nada sofreu. Como o sinal de celular não funcionava, populares foram até o hospital e solicitaram uma ambulância, que buscou a vítima e o réu, prestando o devido socorro, mas a idosa morreu no dia seguinte.

Em virtude da ausência de sinal de telefone, a deixou de ser acionada e a moto conduzida pelo réu, enquanto ele seguiu com a vítima para o hospital, foi retirada do local, impossibilitando a realização de .

O relator da apelação, desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques, lembrou que, como não foi realizada , a questão para se definir a culpa é fática, com a prova testemunhal definindo a culpa exclusiva do réu. O magistrado salientou ainda que, apesar de não ter sido comprovada a alta velocidade imprimida pelo réu, em seu entender esta era inadequada, ainda que dentro dos limites, pelas circunstâncias de local, desprezando a cautela recomendada pela prudência comum.

“O local trata-se de uma avenida, com canteiro central e sem faixa de pedestre, sendo que o réu somente pôde perceber que a vítima atravessava a pista quando ela já estava no meio do asfalto – tanto que declarou não haver tempo de desviar da mulher. Portanto, se a pedestre já estava posicionada no meio da via, ela não surgiu repentinamente na frente do apelante, como quer fazer crer”, explicou o relator.

O desembargador citou ainda que uma motociclista testemunha do acidente afirmou ter dado passagem para o réu, evidenciando que a velocidade dele era maior que a dela, tanto que ela conseguiu frear a tempo e ele não.

Para o relator, diante das provas trazidos ao processo, a conclusão é de que a culpa exclusiva foi do apelante, visto que pilotava a motocicleta sem possuir carteira de habilitação e sem prestar a devida atenção ao trânsito e tráfego de pedestres, com velocidade inadequada pelas circunstâncias apontadas, culminando em atingir a vítima/pedestre quando atravessava a via pública, estando na metade do caminho, sendo irrelevante, portanto, o fato dela não ter olhado para os lados.

Justiça mantém condenação a homem que atropelou e matou idosa
Mais notícias