Justiça determina prisão preventiva de professor e autônomo presos em operação contra pedofilia

Professor foi preso quando assistia vídeos de crianças nuas dançando

A Justiça determinou a prisão preventiva do professor e músico de 36 anos, assim como, do autônomo de 29 anos, ambos presos durante a deflagração da operação Deep Caught contra a pedofilia, nesta quarta-feira (12).

A determinação da conversão em prisão preventiva dos dois homens saiu nesta quinta-feira (13), em audiência de custódia. Eles foram presos em casa, o professor no bairro Ana Maria do Couto e o autônomo no bairro Chácara Cachoeira. Os dois confessaram que baixavam e assistiam vídeos pornográficos com crianças e adolescentes.

Em depoimento, o professor contou que faz tratamento há 8 anos para ‘evitar’ que mexesse com essas ‘coisas’, e que tem a intenção de parar. O professor ainda falou que costumava apagar os vídeos depois que assistia e que não sabia que os programas que usava costumavam compartilhar.

Segundo informações passadas pelo preso, ele atuava desde 2008 nas redes municipais de ensino e desde 2006 na rede estadual ministrando aulas as crianças e adolescentes.

Já o autônomo preso também durante a operação, em sua casa no bairro Carandá Bosque, contou que assistia pornografia com crianças para evitar cometer o crime e para não ficar na ‘vontade’. O homem ainda afirmou que evitava participar de festas infantis. O preso ainda contou que sabia que era crime o que fazia, mas não conseguia parar.

Justiça determina prisão preventiva de professor e autônomo presos em operação contra pedofilia
Mais notícias